set 21 2010

doutorado em gotas I

Categorias: doutorado,educação,tecnologiaSuzana Gutierrez @ 19:57

A coisa anda pegada e o espaço restrito por conta do tempo.  Um pouco deste contexto em que escrever ajuda a pensar passa por:

# Quando se fala em TIC na educação, existe a tendência de estabelecer um ‘padrão’ que homogeniza tecnologias que podem variar muito de um contexto para outro.

# Pensando na educação e na sua condição de instrumento de reprodução da ordem social,  é importante que as alternativas de mudança não sejam somente formais, mas que se dirijam à essência das práticas educacionais.

# Ser professor faz parte de um aprendizado constante, que se dá ao se compreender e aprender a razão de ser professor. De reconhecer a razão de ser do próprio ato de ensinar, com a sua dimensão criativa e profundamente dialógica.

# Se por um lado o avanço tecnológico possibilita novas formas de aprender, as necessidades de aprendizagem também impulsionam a criação dos suportes. E tem de se tornar claro que todo este processo está contido, mas não limitado, pela forma como produzimos a nossa vida atualmente.

((por enquanto eu sou só rascunhos))

Tags: , ,


ago 30 2010

tecnologias na educação

Categorias: educação,tecnologiaSuzana Gutierrez @ 10:44

Uma coisa que me incomoda é o discurso de que ‘hoje’ está ocorrendo uma revolução sem precedentes, que o desenvolvimento das TIC institui um novo paradigmana na educação … (vocês sabem)  Geralmente vem acompanhado dos ‘precisa’, ‘deve’, … em relação aos professores e à escola. Seguido das inevitáveis advertências analógicas de que ‘estão perdendo o bonde’.

São inegáveis as possibilidades das tecnologias que (de acordo como são chamadas) são DA informação e DA comunicação, PARA a educação. Porém,  é interessante considerar o processo de recontextualização* que elas sofrem quando se deslocam de suas áreas de origem e passam a integrar o entorno educacional.

Forçando um pouco uma metáfora: usar aparelhos de musculação na educação infantil, para recreação, por exemplo, tornaria visível este processo de recontextualização que não fica tão evidente quando se fala de TIC na educação.  Assim, na recontextualização algumas características e conteúdos importantes podem ser maximizados, minimizados ou, simplesmente ocultados, dados como inexistentes.

Deste modo, um caminho possível é perguntar como Paulo Freire: a favor do quê e contra o quê, a favor de quem e contra quem? E, eu acrescentaria: em que dimensão?

… pensem aí alguma tecnologia ‘da hora’ cuja ‘aplicação’ em educação está sendo pensada, quase sempre em termos utilitários do tipo “5 formas de usar XXX na sala de aula”.

* ver BARRETO, R.  As tecnologias na política nacional de formação de professores a distância: entre a expansão e a redução.e Professores/professoras e a tecnologia: sobre trabalho e formação docente.

Tags:


maio 31 2010

Redes sociais, apropriação (internalização!) tecnológica

Categorias: doutorado,educação,ticSuzana Gutierrez @ 08:38

Pois eu ando bem afastada daqui, mas não afastada dos assuntos que sempre moveram este blog. Estou escrevendo, refletindo, lendo, tornado a escrever, … E trabalhando 🙂 Minha gurizada anda a mil nos campeonatos por aí. Este meu ano atípico se reflete, também, no rendimento deles. Aliás, nosso ano é atípico: eu em fim de doutorado, eles, a maioria dos mais velhos no 3º ano e com o fantasma do vestibular no horizonte.

Mas, ….. sinto saudade de dividir aqui algumas das coisas que ando pensando. Até porque este movimento me ajuda a … pensar :). Muitas coisas parecem simples de tão faladas e discutidas. Todavia, esta simplicidade é, em grande parte, fruto da nossa tendência a dar as coisas como dadas e naturais.  Por exemplo: a afirmação de que as TIC na educação estão aí para ficar e que é inevitável nos conformarmos e adaptarmos  e que precisamos correr para não ficar ultrapassados e que somos imigrantes que não entendem a linguagem falada pelos nativos e que devemos dar uso a qualquer bobagem tecnológica inventada na semana e que urge

Toda esta conversa incessantemente repetida afeta a formação e o trabalho do professor,  sem que ele consiga tomar nas mãos a direção, sem que consiga adquirir segurança para lidar com todas estas questões, sem que  a reflexão passe da superfície e chegue ao que realmente move todo este processo.

Fica oculto e simplificado o fato de  que a inserção das TIC na formação e no trabalho dos professores é um fenômeno complexo, inserido num contexto maior,  tensionado por contradições que podem direcionar o seu desenvolvimento em sentidos qualitativamente diferenciados e até opostos. Estas tendências de desenvolvimento estão em sintonia com a diversidade de experiências pelas quais os professores passam no processo de apropriação das TIC.

((A própria palavra apropriação pode ser um bom tema de discussão))

Independente de sua opinião, decisão. vontade ou interesse os professores estão em contato com as TIC no seu cotidiano, inclusive na escola, qualquer que seja a organização e o modo de funcionamento da escola. Neste processo de progressiva inserção das TIC, os professores podem oscilar entre diversos contextos de aceitação e de negação, e estas escolhas podem partir de distintos tipos e graus de internalização (aproriação?).

As formações para o uso das TIC em educação podem contribuir para que o professor reconheça a realidade da inserção das TIC na vida, na educação e no trabalho de todos e, também, para o processo de apropriação (internalização?)  das TIC pelo professor. Porém, esta contribuição apresenta resultados diversos, conforme as finalidades, os objetivos e o projeto desta formação.

Algumas formações, apesar de trabalharem com diferentes tipos de tecnologia, exploram pouco o potencial de formação de rede e mantém o mesmo tipo de relação da sala de aula tradicional, na qual a formação de rede também não é muito explorada. A comunicação e as experiências compartilhadas ficam em grande parte apenas entre professor e aluno. Isso quando o professor que está acessível ao aluno não é apenas um tutor cuja função se resume a fazer o aluno acessar os ‘materiais instrucionais’, entender e entregar as tarefas.

O que resulta destas formações mais ou menos monológicas são professores que tendem a não utilizar nada do que aprenderam, que veem as TIC apenas como ferramentas, pois não estabelecem conexões com sua realidade e nem estão aptos a construir com seus pares propostas nas quais as TIC possam ter significado.

Ainda quando o professor participa de uma formação, na qual este estabelecimento da rede é privilegiado, a apropriação das TIC pode não ultrapassar a pseudoconcreticidade (Kosik, 1976), ou seja, a prática alienada na qual os professores sabem usar as TIC, mas não as compreendem. A partir de uma apropriação deste tipo, as possibilidades de transformar a educação, também com a mediação das TIC, fica fora do alcance. Nestas formações, isso acontece quase sempre porque a rede formada (?) se restringe ao curso e seus participantes e se encerra no final das aulas.

No meu entender, para que a formação (formal ou informal) para o uso das TIC em educação contribua para uma apropriação (internalização?)  autônoma, fundamentada na consciência e compreensão das TIC e da realidade social na qual elas se inserem, ela não pode prescindir do engajamento e da participação nas redes sociais online. O processo de apropriação das TIC é alterado quando o professor começa a participar de redes sociais online. Em especial quando estas redes são públicas e redes de professores.

A construção de uma presença online e a reflexão sobre a própria prática em diálogo aberto com seus pares tende a ampliar a compreensão sobre as TIC e os desafios da vida e da educação mediada por elas. A presença online do professor pode ser construída de diversas formas, sendo que páginas dinâmicas como blogues e wikis garantem o espaço para uma presença pública, diacrônica e histórica, uma interface comunicativa para o diálogo e a possibilidade do professor progressivamente ir agregando recursos, procedimentos, rotinas, criando um ambiente pessoal\personalizado de aprendizagem, no qual o professor pode submeter as coisas a própria práxis (Kosik, 1976).

Estas são algumas das coisas que direcionam o que ando investigando. Em princípio, podem parecer óbvias, mas o que nelas se mostra e o que nelas se esconde não é dado de antemão, sem que passe a primeira camada e se considere a totalidade de relações envolvidas.

——

KOSÍK, K. Dialética do concreto. 7ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. 230 p.

Tags: , , ,


set 28 2009

o consumo das midias pelos adolescentes

Categorias: educação física,esporte,internet,midias,ticSuzana Gutierrez @ 12:36

Estive passando os olhos sobre o Nielsen Report: How teens use media.  O uso fica mais perto de consumo, pois tem a ver com critérios quantitativos no uso de midias diversas. Assim, não espere saber como os adolescentes usam o email, mas quanto eles usam.

Me chamou a atenção as quantidades de uso da internet:

tempo médio na internet e aplicativos

tempo médio na internet e aplicativos

Gráfico 1

Destaque para o tempo de conexão dos adolescentes brasileiros, quase o dobro dos demais países.  Dá uma média de aproximadamente 1h:30min diárias. Venho observando que o tempo de permanência online é cada vez maior. Meus alunos, de um modo geral, estão ativos no MSN e \ou Orkut à partir das 14h. Minha observação (não sistemática) e o contato que tenho com eles me informa que o tempo online fica por volta de duas horas ou até mais, em média.

Gráfico 2

Além de quanto, os gráficos mostram onde o tempo é despendido. No segundo gráfico, este ‘onde’ está caracterizado segundo o país.  Os resultados, em relação ao Brasil, são coerentes com o que observo em meus alunos.  E, para a maioria dos países os sites mais acessados são os mesmos  Google\ MSN \ Youtube. Pensando em outros relatórios já apresentados, achei falta do Twitter e Facebook, especialmente o último. Porém, isso pode ser creditado à idade dos pesquisados: 12 a 17. Será?

É interessante observar as relações dos jovens com as midias, mesmo de forma informal como eu faço. Nota-se uma mudança que vem transformando o “brincar” das crianças, num movimento em que a atividade física e as manifestações culturais vão cedendo espaço para atividades nas quais aparatos eletro-eletrônicos-informaticos-… são centrais.

Há não muito tempo atrás, quando levava meus alunos numa competição, os intervalos entre os jogos eram preenchidos com conversa, brincadeiras físicas diversas, bate-bola. Posteriormente, foi a vez dos jogos tipo Truco, RPG, “baralhos e avatares” que, em seguida, começaram a dividir o espaço com os mp3 diversos. Atualmente, são os games e os smartphones cada vez mais sofisticados, isso que a maioria dos meus alunos não pertence a classes AB.

As atividades estão cada vez mais se individualizando. Junto com esta metamorfose do lazer, vem um aumento enorme na obesidade e sobrepeso infantil, nas dificuldades motoras: crianças que correm mal, que não conseguem transpor um muro, que não conseguem pular corda, nem arremessar e receber uma bola com naturalidade.

E, a grande contradição: por um lado, o desenvolvimento físico progressivo proporcionado pelo brincar e pelo esporte é abandonado, por outro lado, os corpos são mandados formatar nas academias perto do final da adolescência ou até antes.

Estas observações não são sistemáticas e nem se apoiam em nenhum protocolo\projeto de pesquisa. Todavia, em especial em relação às crianças e adolescentes, é essencial acompanhar (pesquisar) de forma crítica e cuidadosa estas transformações.

Tags: , ,


set 07 2009

No dia da in (ter) dependência

Categorias: academia,edublogosfera,educação,pesquisa,rede,ticSuzana Gutierrez @ 07:09

blogagem coletiva

publicação coletiva

Aderindo a blogagem coletiva, resolvi publicar agumas idéias que, faz muito tempo!,  penso serem essenciais quando se pensa em mergulhar na rede.

Nos vários espaços onde se reúnem professores, reverbera o chamamento ao uso das tecnologias da informação e da comunicação, a condenação da resistência e o clamor por acesso e inclusão.  Ressoa nos canais de comunicação  a celebração da educação a distância como se ela não fosse educação, fosse algo fora, acima, coisa de inciados sem paciência com o que apontam como  pensamento retrógrado.

Grande parte disso tudo passa pela superficialidade e, em muitos casos, opta por um pragmatismo alienado que tende a descartar as tentativas de se por o dedo nas feridas que teimam em aparecer.

Falar em independência é compreender a autonomia, não como coisa, como algo congelado numa definição, mas como relação social que parte da consciência da nossa interdependência, do nosso vínculo forte com o outro. Vínculo tal que faz com que alguns insistam, persistam, repitam, mesmo contra toda a negação da crítica.

E é na perspectiva desta autonomia que penso o diferencial que pode haver nesta entrada cada vez maior de professores na rede.  Pois os professores estão aí, vindo entusiasmados ou desconfiados das diversas formações propostas, vindo por um acaso fruto de maiores possibilidades de acesso, vindo por obrigação, constrangidos por gestores, pelos pais, pelos alunos, …  Entrando na rede, enfim.

E é para este grupo de colegas que eu gostaria de falar, de propor uma pedagogia do puxadinho, um jeito hacker de viver a rede. Quero propor a eles que chutem para o lado todo o receituário, sobretudo o que limite a sua ação, ou seja,  os pode não pode daqueles que, por em absoluto não compreender a rede, vivem tentando controlá-la.

Resgato,  metareciclo, reproduzo, recriando, remixando, refazendo, algumas das minhas idéias de 2004, pois   “a realidade humana não é apenas produção do novo, mas também reprodução (crítica e dialética) do passado” (KOSÍK, 1976, p.150)

Colegas, olhem para a sua formação e pensem na formação de seus alunos dentro de um contexto que privilegie e  promova a pesquisa (as perguntas!). Uma pesquisa que considere a realidade das instituições educacionais e que, a partir desta realidade, construa alternativas de criação e uso da tecnologia.

Prefiram as ações que promovam a autonomia e a autoria no trabalho com as tecnologias e potencializem a opção \ apropriação tecnológica consciente.

Considerem as possibilidades da cultura hacker, do movimento software livre, dos ambientes públicos, interativos e abertos, das formas colaborativas e cooperativas de trabalho, como exemplos de uma reconstruída relação com o conhecimento, como bem humano.

Não se fechem na academia (na escola), ao contrário, descubram os espaços onde a rede invade a academia ,a escola e tudo mais. Façam destes, espaços de vida.  Evitem, também, os feudos que se criam na rede e replicam as formas fixas, pobres e unidirecionais de comunicação e, pior, de educação.

Conjurem as instâncias de apoio (os Núcleos, NTEs, Proinfos) para que partam da imersão na rede, na sua cultura, e, muito mais,  na sua contra-cultura; do que é instituído pelos órgãos educacionais, porém, muito mais pelo que é instituinte e negador, que se coloca como possibilidade, como as alternativas livres que emergem na e da rede.

Lembrem que a rede é rede e o outro é o caminho. Pliquem, repliquem, tripliquem, mantenham o fluxo 😀

Acreditem em si mesmos, no potencial transformador da sua prática, na beleza da sua busca, na segurança da sua experiência, no poder redirecionador dos erros (é por aqui que venho andando, não sem alguns tropeços)

Não aceitem tudo isso que escrevi como diretriz e, sim, como possibilidade de caminho à construir. Mergulhem na rede nos seus termos, como os botos e não como as sardinhas.

in-ter-dependencia

in-ter-dependencia

O texto ficou com jeitinho de discurso… Perdão!!!!!!!! 😳 Afinal, é sete de setembro e algum tom heróico pode retumbar no meu brado. ops! 💡

….siga http://tinyurl.com/interdependencia

….leia todos na: interdependência


Tags: , , , , ,


ago 12 2009

Edublogosfera no identi.ca

Categorias: edublogosfera,ticSuzana Gutierrez @ 14:03

edublogosfera no identi.ca* logo feito por Vanessa

Esta semana, na cola das rflexões sobre o Twitter e sobre a questão da “distribuição”, um grupo grande de sinapses que se reune na lista edublogosfera migrou para  o identi.ca pelas seguintes razões:

  • continuamos refletindo sobre o que se pode fazer com 140 carácteres
  • identi.ca é software livre de código aberto (laconi.ca) << uma questão de opção!
  • criamos um grupo chamado !edubl que agrega conteúdos bem dirigidos e distribui po rss.
  • quem quiser pode continuar no twitter, postando do identi.ca via identifox, por ex.

* não sei se são as férias suínas (como disse um aluno meu) mas projetos estão pipocando no grupo.

** para quem não sabe,  a Edublogosfera, uma lista aberta e não moderada que tem como objetivo ampliar a rede de diálogos e  reflexões sobre educação, comunicação e tecnologia.

*** hoje é um bom dia para começar um grupo. Teremos até chuva de meteoros, como avisa o Prof Garcia e explica o Apollo 11

Tags: , ,


jul 29 2009

formação de professores

Categorias: academia,educação,mestrado,ticSuzana Gutierrez @ 11:04

[…] Infelizmente, as políticas públicas estão sempre na direção da “formação” e “capacitação” dos professores, nunca na direção da apropriação e consolidação da cultura digital. [Ana Beatriz, no Educação à Distância]

Com esta frase a Ana Beatriz encerra o seu texto, que fala da palestra do MEC na WCCE 2009 e resume muito bem o que é um dos grandes nós da questão da inserção das tecnologias da informação e da comunicação no trabalho do professor.

Lembrei que uma das minhas recomendações (p. 195/196 )  na dissertação, mestrado com defesa em 2004, foi a formação a partir da imersão na rede, justamente para garantir uma apropriação que dificilmente os treinamentos e capacitações possibilitavam.

Inserir as TIC no trabalho e na  prática educativa não se trata de aprender a usar ferramentas e, sim, de falar uma nova linguagem, de incorporar práticas sociais. O requisito básico de uma formação é a de abrir o caminho para isso. Isso demanda tempo e reflexão e recursos, sobretudo recursos humanos.

Me preocupa quando leio que

“Os professores da rede pública têm a sua disposição vários cursos a distância para seu aperfeiçoamento continuado, além de extensão e especialização. Até final de 2010 teremos mais de 500 mil professores que passaram por estes cursos, isso sem contar com a UAB, a missão do MEC é não só produzir e promover, mas propiciar aos professores a oportunidade de escolherem o curso que desejem fazer.” [no Web Rádio, da palestra do MEC na WCCE]

pois, não posso deixar de calcular a alocação de recursos tecnológicos, de espaço (polos, NTEs), a quantidade de professores que está sendo necessário contratar (concursar!) para efetuar esta formação gigante. Isso dá aproximadamente 12.500 turmas, necessitando, no mínimo, 12.500 professores e/ou 25.000 tutores, … (mesmo este processo já estando em curso, os números são grandes)

Quando o MEC está intimando as universidades e centros universitários a cumprirem em até 90 dias a lei que diz que as instituições de ensino superior devem ter um terço do corpo docente com dedicação integral, na certa espera que esta contratação em massa que deverá ocorrer possa cumprir esta mesma lei.

Assim, quando não vejo movimentação no sentido de realização de concursos e nomeação de docentes, fico pensando como se dará esta capacitação e se esta será uma real apropriação de uma nova linguagem ou apenas mais um treinamento no uso de ferramentas.

No segundo caso, o resultado já se sabe qual é:  professores resistentes, laboratórios fechados (ver p. 136 da minha dissertação). Pois, não será a “criação, no homem, do correspondente sentido, graças ao qual ele pode compreender o sentido da coisa.” (KOSÍK, 1976, p. 29)

Imersão na rede é formar e viver a rede, ser parte dos elos cooperativos que podem surgir entre professores e, este, é um movimento que passa pela construção de cursos de formação que privilegiem a formação da rede. Cursos que vão exigir muito mais do que ambientes virtuais e tarefas lineares e, por isso, vão exigir muito daqueles que vão, juntamente com a tecnologia, mediar esta aprendizagem.

Aí que pergunto se as nossas instituições formadoras estão prontas para fazer e manter este mergulho na rede junto com estes 500.000 professores.

KOSÍK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. 230 p.

Tags: , , , ,


jul 21 2009

Reflexões sobre a Aprendizagem

Categorias: educação,ticSuzana Gutierrez @ 10:25

gatosComo, quando, por que aprendemos; a inevitabilidade de aprender; a simplicidade de aprender; a complexidade de aprender … volta e meia estas questões aparecem no horizonte mais próximo. Quando eu me pergunto por que aquilo que vivenciamos no treino não aparece no jogo, quando um conceito surge claro inesperadamente, quando uma ligação se esconde, foge, não relaciona. – aprender … apreender.Uma questão de conteúdo e contexto, de desejo e oportunidade. Mais uma vez fiquei pensando sobre isso, hoje. E dei uma vasculhada nas situações de aprendizagem pelas quais passei, tentando isolar uma diferente, que, por isso, pudesse me mostrar alguns caminhos.

Anos atrás, durante o verão (férias!), ao observar a minha irmã pintando caixas e outros utensilios de madeira, me deu vontade de fazer o mesmo. Ela prontamente vestiu as roupas de mestra e passou a me orientar.

Achamos uma destas embalagens de flores (uma caixa de madeira) que andava jogada pela casa e comecei a mexer com as tintas e pincéis. Minha mestra havia feito cursos, aprendera técnicas e as executava com cuidado, seguindo as diversas etapas e foi assim que passou a me ensinar. Eu segui…

Agora, … o que me motivou a querer me aproximar deste conteúdo (pintura, artesanato), no contexto (informalidade)? Minha vontade era mexer com as tintas, usar os pincéis, os dedos, combinar as cores, tentar fazer ‘coisas’ surgirem por puro prazer. Sem compromissos com a técnica, priorizando o instinto ao invés das etapas de criação (eu diria reprodução).

A mestra foi embora no fim de semana e me deixou com suas ferramentas. Conteúdo e contexto me fizeram buscar estas ferramentas para conhecer melhor, vivenciar, construir e desconstruir. E eu, sem as técnicas e procedimentos atrapalhando, busquei outras. Pintei com panos, com dedos, dilui, misturei, errei e acertei, descobri, descobri. E criei.

O conteúdo foi guiado (flutuou, mergulhou) pela linguagem que as minhas ações, escolhas, contexto determinaram. As ferramentas não escolheram o conteúdo. Este não se conformou, ao contrário, de certa forma determinou, transcendeu ferramentas.

Um objeto (uma relação), parte de um contexto, que possui uma linguagem, formas de expressão – centro de interesse, objeto de desejo, inevitável aprendizagem. Movimento.

Assim, caros 6 leitores, não perguntem como usar blogs em educação ou o twitter na aprendizagem de língua portuguesa. Mais do que ferramentas, blogs, twitter, … podem fazer parte de uma linguagem que os contém, além das coisas que queremos (queremos?) apreender. A linguagem do nosso contexto que não é una, nem fixa, nem imutável.

… ainda pensando

Tags: , ,


jun 13 2009

eu e o twitter

Categorias: basquete,basquete cmpa,tecnologia,ticSuzana Gutierrez @ 12:00

Ou da primeira experiência em usar o Twitter como canal de comunicação \ informação no contexto de alguma situação especial.

Com a aproximação dos Jogos da Amizade, evento que mobiliza sobremaneira a Seção de Educação Física do CMPA, andei pensando em criar uma atividade a mais para me ocupar durante os jogos. Um perigo isso, pois a correria é muito grande e a posibilidade de não dar certo cresce junto com os quilômetros da viagem e as complicações de mudar de residência (para um quartel!) por 10 dias.

Assim mesmo, resolvi testar pessoalmente as possibilidades de estabelecer um canal de comunicação via Twitter durante os jogos e documentar alguma coisa em tempo real.

Dentro desta idéia e para não atucanar os seguidores do meu @suzzinha no Twitter, criei um usuário chamado @basquetecmpa. Estou divulgando o usuário entre os poucos colegas e interessados que usam o Twitter e motivando os meus alunos a criarem seus usuários. Quem sabe, num delírio nerd, os pais sigam as informações online.

Na sequência, criei a hashtag #cmcg2009 que vai abrigar as informações sobre os jogos da amizade. Criei, também, no twittermail um email para envio de mensagens\imagens do telefone móvel para o twitter via twitpic. E, além disso, uma ligação Gengibre – Twitter que vai permitir as mensagens em áudio.

Na página do basquete instalei um widget que mostra as últimas atualizações do @basquetecmpa e estou indicando os feeds: do basquetecmpa, do #cmcg2009 como alternativas de acompanhamento das notícias, via leitor de conteúdo (google reader, bloglines)

Por hora, apenas testes. Quem quiser espiar entre no blog do basquete e olhe a barra lateral >> :: em tempo real

Vamos ver no que vai dar! (ou não…)

Tags: , , , , , , , , ,


maio 07 2009

CMPA e as TIC

Categorias: cmpa,educação,informação,ticSuzana Gutierrez @ 11:05

Nos últimos anos o Colégio Militar de Porto Alegre tem se conscientizado do poder da informação ágil, correta e em rede. O site do colégio passou a ter um gerenciador de conteúdo (Mambo) que democratiza a publicação de notícias e ampliou os canais de comunicação com alunos, professores, pais e comunidade.

Usa listas de discussão para comunicações entre as seções de ensino e grupos de professores, mantém diversas comunidades no Orkut (CMPA, Basquete CMPA, Coral, Banda, ..) e, aderiu ao Twitter, dentro de uma idéia de disseminar a informação.

Penso que nestas boas iniciativas só falta uma: distribuir via RSS o conteúdo do site. Esta distribuição até já existe, mas o feed é muito ruim, pois não mostra o conteúdo e tenta mostrar conteúdos internos e protegidos do site.

Penso que entrar na rede é um desafio para qualquer escola, na medida em que estar na rede é ampliar a presença para além da comunidade mais próxima. Problemas e oportunidades estarão permanentemente no horizonte, mas…. sem ousadia não há inovação e reinventar a escola passa por ousar um pouco mais 🙂

Falando nisso, repercutiu no CMPA as matérias da Revista A Rede e do Portal Conexão Professor que, entre outras coisas, fala de projetos realizados no colégio. Fui entrevistada e, além das minhas exepriências adquiridas na pesquisa, falei dos projetos de professores e alunos do CMPA que utilizam as TIC.

Espero que este destaque possa incentivar as nossas aventuras com as TIC no colégio.

Tags: , , , ,


mar 01 2009

Professores Conectados

Categorias: educação,suzana gutierrez,ticSuzana Gutierrez @ 05:18

Professores Conectados é o título de um pequeno artigo que escrevi como provocação ao debate no I Congresso de Tecnologias na Educação, realizado no final de outubro de 2008 e promovido pelo grupo Blogs_Educativos.

O Congresso, totalmente online, abrigou interessantes discussões nos fóruns abertos ao redor dos diversos temas e artigos. Agora, é lançada a Revista Tecnologias na Educação e publicados os artigos, palestras e relatos de experiência que deram movimento ao Congresso.

É importante salientar a origem da nova revista: uma comunidade de educadores blogueiros que, desta forma, socializam um pouco de suas reflexões. Uma comunidade que mostra como os professores podem formar redes sociais online, relações que ampliem os processos de aprender-ensinar.

Espero que, em breve, os diversos fóruns do congresso, que abrigam riquíssimos debates, possam ser reabertos e agregados a este primeiro número da revista, possibilitando, mais uma vez, o diálogo em torno de temas tão importantes. Fica a sugestão aos organizadores 🙂

Espero, também, que o meu artigo possa continuar suscitando o debate sobre a formação e o trabalho do professor em sua intersecção com as tecnologias da informação e da comunidação.

Tags: , , , , ,


fev 15 2009

# dulcora

Categorias: educação,esporte,política,ticSuzana Gutierrez @ 14:18

# Para pensar >> “A crise ainda não mostrou sua verdadeira face, mas as notícias do ressentimento de trabalhadores dos países da Europa Ocidental contra os que ocupam postos de trabalho por uma mísera remuneração são cada vez mais evidentes. É como fossem estes os culpados e não o capital em busca de maior rentabilidade. O aumento da intolerância dos governos com os imigrantes é o outro lado da moeda.” …. segue [Rall em Rumores da Crise]

# Brasil Olímpico – Uma candidatura passada a Limpo. – vídeos do especial da ESPN, no blog do Paulinho [via Laércio]

# Solução neokeynesiana e novo Bretton Woods são fantasiasEm entrevista à revista inglesa Socialist Review, István Mészàros, um dos principais pensadores marxistas da atualidade, analisa a crise econômica mundial e critica aqueles que apostam que ela será resolvida trazendo de volta as idéias keynesianas e a regulação. Orr e Ward entrevistam Istvan Mészáros para a Socialist Review – traduzido por Katarina Peixoto para a Agência Carta Maior

# Para conferir: Dossie Telos, na Revista Telos – TIC, educação, tecnologia, escola.

# Exterminem todos os brutos”: Gaza 2009 – O poder dos homens do Hamas permanece intacto, e a maior parte dos que sofreram em Gaza é de civis: um resultado positivo, segundo uma doutrina muito bem difundida, a do terrorismo de Estado. Noam Chomsky para a Agência Carta Maior

# Palestina Ocupada – entrevista de Idelber de Avelar para Jorge Conterrâneo, André Deak e Rodrigo Savazoni.

Tags: , , , , , ,


jan 22 2009

Informação em Rede

Categorias: informação,rede,redes sociais,ticSuzana Gutierrez @ 06:01

Incrível! Instituições, pessoas, informações, meios, tecnologias, processos, fluxos, …. em rede com uma interface visual interessantíssima.

Na Universitat Oberta de Catalunya: Conhecimento em Rede – UOC

rede uoc

Clique para ver em tamanho maior, mas o melhor é acessar direto a rede uoc.

Tags: , , , ,


jan 09 2009

Campus Party

Categorias: educação,eventos,política,tecnologia,ticSuzana Gutierrez @ 07:04

Dia 15 inicia a grande festa e eu, mais uma vez, vou acompanhar à distância. Assim, andei me abastecendo de caminhos de informação daqueles que lá estarão.

Este ano está previsto um espaço especial para falar de educação na sua intersecção com as tecnologias da informação e da comunicação. A Bárbara, a Raquel, a Sandra, a Adriana e a Lilian estarão por lá e, com certeza, suas informações serão valiosas.

A Lilian está capitaneando o blog da Educarede, com informações exclusivas sobre a Campus Party.

O pessoal do Metareciclagem, também, terá seu espaço que vai ser super hackeducativo.

E eu tenho uma sugestão:

Aproveitar o espaço, a visibilidade e o momento para organizar uma grande Smartmob pela paz entre israelitas e palestinos. Mostrar e cobrar que os conflitos, mesmo os muito complexos, precisam ser resolvidos no diálogo, na justiça e no respeito, e que a VIDA tem prioridade sobre qualquer interesse.

Sei que é uma proposta difícil, mas sei, também, do espírito hacker que habita a maioria dos campuseiros, que os habilita a traduzir isso em paz.

)) update )) para que não seja mal compreendido o tom leve da proposta: a idéia não é exacerbar ódios e sectarismo. Porém, num caso como este, primeiro a gente tira a arma da mão de quem está atirando, para depois discutir. Assim, qualquer posicionamento tem de deixar claro que 1000 mortos não são resposta para nada, nem solução para nada. Ao contrário, o que o ESTADO de Israel esta fazendo em Gaza é crime contra a humanidade.

Tags: , , , , , , ,


nov 19 2008

Twitter

Categorias: tecnologia,ticSuzana Gutierrez @ 03:59

Sem tempo para pontuar por conta própria, este blog segue dando assistências. Assim, passo a bola para a Raquel Recuero que fez dois excelentes e analíticos textos sobre o Twitter.

Para quem não sabe e em resumo, o Twitter é um aplicativo web que faz circular pequenas mensagens (140 caracteres) pela rede. Tu vais ler as mensagens daqueles que decidistes seguir (adicionados à tua rede) e será lido por aqueles que decidiram te seguir.

Com alguns comandos simples é possívelmmandar mensagens diretamente para algum contato, de forma pública ou privada. E, também, formar canais que reunirão a informação sobre um certo fato ou evento. Ex: leia o que foi twittado durante a ABCiber.

A Raquel aprofunda a análise sobre o Twitter, falando sobre a sua definição como microblogging e sobre a questão da autoridade.

) ) Post relacionados ao twitter no gutierrez/su

Tags: , ,


Próxima Página »