set 29 2010

doutorado em gotas II

Categorias: ciência,doutorado,redes sociaisSuzana Gutierrez @ 20:14

Na impossibilidade de ampliar o todo, publico as partes que andam soltas aí nos meus rascunhos 🙂

# redes sociais não são sistemas estanques, livres da influência do meio onde se inserem, ao contrário, redes são históricas, contextuais, inapreensíveis em seu movimento, são o todo e a parte de uma totalidade de relações.

# A forma como a rede se articula mostra e esconde, determina e é determinada pelo conteúdo da rede. O cuidado é não tomar a forma pelo conteúdo e nem o conteúdo pela forma de modo estanque, tendendo a congelar aquilo que é altamente dinâmico e dialético.

# É tentador, mas perigoso usar teorias e conceitos desenvolvidos numa ciência em outras ciências, sem que as peculiaridades de cada campo do conhecimento sejam consideradas. E que, neste processo, uma realidade seja “modelada” por propriedades e leis criados em e para outra realidade.

Como diria um amigo meu:
[…] a memória, introduzindo o passado no presente sem modificá-lo, tal qual fora quando presente, suprime exatamente esta enorme dimensão do tempo conforme a qual a vida se realiza …

Tags: ,


maio 31 2010

Redes sociais, apropriação (internalização!) tecnológica

Categorias: doutorado,educação,ticSuzana Gutierrez @ 08:38

Pois eu ando bem afastada daqui, mas não afastada dos assuntos que sempre moveram este blog. Estou escrevendo, refletindo, lendo, tornado a escrever, … E trabalhando 🙂 Minha gurizada anda a mil nos campeonatos por aí. Este meu ano atípico se reflete, também, no rendimento deles. Aliás, nosso ano é atípico: eu em fim de doutorado, eles, a maioria dos mais velhos no 3º ano e com o fantasma do vestibular no horizonte.

Mas, ….. sinto saudade de dividir aqui algumas das coisas que ando pensando. Até porque este movimento me ajuda a … pensar :). Muitas coisas parecem simples de tão faladas e discutidas. Todavia, esta simplicidade é, em grande parte, fruto da nossa tendência a dar as coisas como dadas e naturais.  Por exemplo: a afirmação de que as TIC na educação estão aí para ficar e que é inevitável nos conformarmos e adaptarmos  e que precisamos correr para não ficar ultrapassados e que somos imigrantes que não entendem a linguagem falada pelos nativos e que devemos dar uso a qualquer bobagem tecnológica inventada na semana e que urge

Toda esta conversa incessantemente repetida afeta a formação e o trabalho do professor,  sem que ele consiga tomar nas mãos a direção, sem que consiga adquirir segurança para lidar com todas estas questões, sem que  a reflexão passe da superfície e chegue ao que realmente move todo este processo.

Fica oculto e simplificado o fato de  que a inserção das TIC na formação e no trabalho dos professores é um fenômeno complexo, inserido num contexto maior,  tensionado por contradições que podem direcionar o seu desenvolvimento em sentidos qualitativamente diferenciados e até opostos. Estas tendências de desenvolvimento estão em sintonia com a diversidade de experiências pelas quais os professores passam no processo de apropriação das TIC.

((A própria palavra apropriação pode ser um bom tema de discussão))

Independente de sua opinião, decisão. vontade ou interesse os professores estão em contato com as TIC no seu cotidiano, inclusive na escola, qualquer que seja a organização e o modo de funcionamento da escola. Neste processo de progressiva inserção das TIC, os professores podem oscilar entre diversos contextos de aceitação e de negação, e estas escolhas podem partir de distintos tipos e graus de internalização (aproriação?).

As formações para o uso das TIC em educação podem contribuir para que o professor reconheça a realidade da inserção das TIC na vida, na educação e no trabalho de todos e, também, para o processo de apropriação (internalização?)  das TIC pelo professor. Porém, esta contribuição apresenta resultados diversos, conforme as finalidades, os objetivos e o projeto desta formação.

Algumas formações, apesar de trabalharem com diferentes tipos de tecnologia, exploram pouco o potencial de formação de rede e mantém o mesmo tipo de relação da sala de aula tradicional, na qual a formação de rede também não é muito explorada. A comunicação e as experiências compartilhadas ficam em grande parte apenas entre professor e aluno. Isso quando o professor que está acessível ao aluno não é apenas um tutor cuja função se resume a fazer o aluno acessar os ‘materiais instrucionais’, entender e entregar as tarefas.

O que resulta destas formações mais ou menos monológicas são professores que tendem a não utilizar nada do que aprenderam, que veem as TIC apenas como ferramentas, pois não estabelecem conexões com sua realidade e nem estão aptos a construir com seus pares propostas nas quais as TIC possam ter significado.

Ainda quando o professor participa de uma formação, na qual este estabelecimento da rede é privilegiado, a apropriação das TIC pode não ultrapassar a pseudoconcreticidade (Kosik, 1976), ou seja, a prática alienada na qual os professores sabem usar as TIC, mas não as compreendem. A partir de uma apropriação deste tipo, as possibilidades de transformar a educação, também com a mediação das TIC, fica fora do alcance. Nestas formações, isso acontece quase sempre porque a rede formada (?) se restringe ao curso e seus participantes e se encerra no final das aulas.

No meu entender, para que a formação (formal ou informal) para o uso das TIC em educação contribua para uma apropriação (internalização?)  autônoma, fundamentada na consciência e compreensão das TIC e da realidade social na qual elas se inserem, ela não pode prescindir do engajamento e da participação nas redes sociais online. O processo de apropriação das TIC é alterado quando o professor começa a participar de redes sociais online. Em especial quando estas redes são públicas e redes de professores.

A construção de uma presença online e a reflexão sobre a própria prática em diálogo aberto com seus pares tende a ampliar a compreensão sobre as TIC e os desafios da vida e da educação mediada por elas. A presença online do professor pode ser construída de diversas formas, sendo que páginas dinâmicas como blogues e wikis garantem o espaço para uma presença pública, diacrônica e histórica, uma interface comunicativa para o diálogo e a possibilidade do professor progressivamente ir agregando recursos, procedimentos, rotinas, criando um ambiente pessoal\personalizado de aprendizagem, no qual o professor pode submeter as coisas a própria práxis (Kosik, 1976).

Estas são algumas das coisas que direcionam o que ando investigando. Em princípio, podem parecer óbvias, mas o que nelas se mostra e o que nelas se esconde não é dado de antemão, sem que passe a primeira camada e se considere a totalidade de relações envolvidas.

——

KOSÍK, K. Dialética do concreto. 7ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. 230 p.

Tags: , , ,


maio 02 2010

ENDIPE e outras histórias

Categorias: academia,educação,eventos,redes sociaisSuzana Gutierrez @ 12:17

Vou começar pelas outras histórias: a vida segue apressada, a tese divide os espaços com as competições de basquete e vai diminuir ainda mais as minhas possibilidades de interação aqui e em outros espaços.  Coisas da vida e do contexto.  Não estou triste pelas coisas que tenho de abrir mão agora, pois estou construindo o futuro que vai me permitir focar em tudo que gosto e que me gratifica.

Por estas, não pude estar no ENDIPE (*). Texto aceito para o painel “Redes de aprendizagem: discutindo sobre
diferentes visões”, ficou para as colegas da UFRGS e da UFSM representarem o grupo em Minas Gerais. A Vanessa publicou algumas fotos e me mandou os anais do evento e alguns relatos. Com o tempo poderei assistir algumas palestras que estão no sítio do evento.

Como não teve publicação online dos trabalhos, publico meu texto e compartilho.

Professores em redes sociais on-line: desafios e possibilidades

Um recorte do resumo: Este artigo aborda o contexto de inserção das tecnologias da informação e da comunicação (TIC) no trabalho de professores e professoras do ensino básico, por meio das redes sociais on-line […] A pesquisa é de natureza qualitativa, de aproximação etnográfica, de acordo com a teoria proposta para etnografia virtual ou netnografia. Considerando a novidade e a complexidade do tema, o materialismo histórico e dialético é a teoria e o método escolhido para dar suporte à pesquisa. […] Segue, trazendo o contexto de inserção do fenômeno estudado, a internet, a world wide web e as redes sociais on-line, considerando o seu desenvolvimento e as transformações pelas quais vêm passando na atualidade. Descreve a entrada dos professores na rede, fazendo a ligação com a sua formação e trabalho e problematiza a formação das redes sociais on-line e suas possíveis implicações no trabalho destes professores.[…]
Palavras chaves: educação, formação de professores, redes sociais on-line, trabalho.

* ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO
Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais, Belo Horizonte, 2010

Tags: , ,


fev 20 2010

Google Buzz

Categorias: software,tecnologiaSuzana Gutierrez @ 10:05

Neste últimos dias, duas coisas me entusiasmaram. A incrível comissão de frente do Unidos da Tijuca e o Google Buzz.  A primeira eu vou revisitar hoje à noite.  A segunda, venho usando desde o início e acompanhando toda a conversa que gerou nas redes.

Não vou falar muito das questões relativas ao lançamento e dos problemas iniciais com a privacidade, já bastante discutidos.  Aqui alguns artigos que recomendo sobre o Google Buzz:

)) Sobre histeria, privacidade, Buzz e etc – Sergio Lima

)) Redes Sociais e o Google Buzz – Raquel Recuero

)) Google Buzz é o “Facebook Beacon” da Google – Tiago Dória

)) Google Buzz copied FriendFeed’s worst features, why? – Robert Scoble

A ideia é, a la web 2.0, fazer generosamente um pouco do trabalho de uma equipe de testes e  listar algumas constatações pessoais sobre os primeiros dias de uso, inclusive algumas recomendaçõs sobre o aperfeiçoamento.   Inclusive para motivar os usuários a um bom uso, enquanto alguns melhoramentos não são implementados.  Para começar, gostei bastante do Google Buzz, principalmente pela organização das conversas ea possibilidade de amplitude. Vamos lá 🙂

)) o que eu gostei:

  • Integração com o Gmail – acessível, simples, em tempo real
  • Agil para comunicações rápidas, mas não limitado a 140 caracteres \o/
  • Possibilidade de compartilhamento público ou dirigido a pessoas e grupos organizados de contatos.
  • Facilidade de interação nos próprios textos e nos de ‘seguidos’. (comentários)
  • Possibilidade de expansão da rede de contatos a partir da interação nos artigos postados por ‘seguidos’
  • Cada Buzz tem um link permanente, com uma página dedicada, distribuída por RSS, com todos os comentários organizados. Todos os buzzes ficam organizados em forma cronológica reversa na página do perfil do usuário e esta página permite comentários e tem distribuição por RSS.  (alguém aí pensou blogue?)

)) o que eu não gostei

  • Na medida em que as pessoas adicionam automaticamente outras redes e aplicativos (Twitter, Flickr, Blog, FriendFeed, …), alguma delas altamente ‘tagarelas’, falta de um mecanismo que possibilite escolher quais as redes dos ‘seguidos’  que serão seguidas.  Eu gostaria de bloquear o Twitter, o FriendFeed da grande maioria dos meus seguidos, pois o que eles divulgam de interesse, geralmente já recebi pelo Google Reader. Além disso, o FriendFeed de muitos repete o Twitter e o blog.
  • Sicronização de contatos ‘seguidos’ com o Google Reader – atualmente, deixando de seguir alguém no Buzz, este contato é retirado da lista de compartilhamento do Reader e vice-versa. Como a Raquel aponta em seu texto (acima) e como alguns colegas e eu buzzamos aqui,  as redes são diferentes. Novamente, poder escolher os aplicativos dos nossos ‘seguidos’ é importante.
  • Embora os buzzes próprios fiquem organizados e buscáveis, seria interessante ter um sistema de arquivos, que poderia ficar no perfil.
  • O sistema de leitura poderia ser aperfeiçoado. O uso da tecla n para navegar entre as novidades é meio confuso.
  • O editor poderia permitir a edição em html ou  ampliar as marcações estilo wiki ou ter algumas ferramentas bem básicas de edição.
  • Falta um botãozinho de rebuzz (mas só depois de acertarem a redundância)
  • O envio por email a partir do Buzz para o Buzz, que poderia ser um provisório rebuzz, não funciona. Aliás, o buzz por email não manda o corpo da mensagem.

Como já disse,  eu gostei bastante do Google Buzz e penso que o Google vai fazer modificações em outros aplicativos (Reader, Chat, Igoogle) por conta dele. Vai valorizar o perfil google que já está ficando com cara de ambiente personalizado de aprendizagem.  Uma preocupação que fica é a concentração de tudo numa só plataforma gerenciada por uma empresa privada.

(em construção, mas já no olho do povo)

Tags: , ,


fev 17 2010

Buzz, Wave, Twitter – a cooperação e trabalho imaterial

Categorias: cooperação,informação,redes sociais,visão de mundo,webSuzana Gutierrez @ 14:39

[aviso]Este texto não é uma análise do Google Buzz ou do Wave. É a expressão da minha opinião sobre os rumos das redes sociais e de seus suportes. Sobretudo uma reflexão inacabada sobre os nossos rumos nas redes. Assim, contribuições, críticas, concordâncias e discordâncias são bem vindas.[/aviso]

buzz twitterNo que se chama de sociedade da informação, a divisão do trabalho assume contornos inesperados. Em vez da tradicional divisão entre quem pensa e quem executa, se intensifica a divisão entre aqueles que conseguem controlar, filtrar e utilizar a informação de acordo com suas necessidades e objetivos e aqueles que se perdem na avalanche de informações. Uma divisão que vai além da divisão que se estabelece no acesso à informação.

Considerando a informação que é produzida e circula na internet, podemos dizer que todos a produzem e reproduzem em maior ou menor grau. Afinal, a maioria de nós trabalha nestas fábricas sem salário que nós mesmo criamos nos galpões fornecidos por grandes corporações, através dos seus aplicativos\suporte de redes sociais. A acumulação capitalista, nestes nossos tempos, não se baseia somente na produção de mercadorias, mas na produção da inovação. E é negócio fazer circular o que cria e alimenta negócios.

Todo o santo dia blogamos, tuitamos, buzzamos e abusamos destes novos verbos, enfim, abastecemos ininterruptamente os canais e os reservatórios de informação, criando um valor que transcende o da informação original e individual. Podemos pesquisar um pouquinho neste imenso fluxo de dados, afinal…, não se amarra a boca do burro boi que puxa o arado. Porém, o fazemos muito aquém do poder das máquinas de pesquisa, que colhem, filtram, recirculam, extraem valor desta nossa cooperação. Não raro nos perdemos na pesquisa e saimos de mãos vazias. Informação demais desinforma. É comum perdermos o essencial no meio do que é banal.

Esta semana, estamos discutindo em diversas línguas, como o Buzz é bom, o quanto o Buzz é ruim, como vamos usá-lo, porque vamos desligá-lo, o quê pode ser melhorado, …  Cooperação, trabalho imaterial, mais-valia total porque estamos trabalhando sem salário. O fazemos de livre e espontânea vontade? Sim. Com consciência? …

Ah! vamos desligar o Buzz, o Twitter, a conexão com a internet … Ops! … É aqui que eu travo. Observo estas redes que formamos, nas quais as pessoas compartilham e recompartilham automaticamente (em grande parte) as informações. Imaginemos um excelente e original texto publicado num blog.  Pela decisão do autor e as possibilidades do suporte, o texto é distribuido automaticamente para os agregadores, via RSS, para o Twitter, para o FriendFeed , Buzz, Tumblr, Facebook etc.

A partir daí rola uma cascata de eventos. O Twitter remete a informação automaticamente para o FriendFeed, para o Tumblr, para o Buz z, para o Facebook e gera um Feed RSS que a contém. O FriendFeed lança no Buzz tudo o que recebeu do blog, do Twitter, do Facebook, e gera um feed RSS. O Facebook faz o mesmo e a coisa toda começa a ficar circular. O eterno retorno da filosofia, um loop mal feito num código 🙂

Além disso, o pessoal pode retuitar e, conta a lenda, que estão pedindo um botão de rebuzzar . (Please, Google, NO!) Toda esta redundância e circularidade acontece, na maior parte, automaticamente e, pior, grande parte das pessoas nunca olha alguns destes seus serviços, que distribuem seus interesses, apesar do seu desinteresse. Um processo bem web 1.0 na web 2.0. Muitas vezes, tudo se resume a linkar seu perfil a um certo tipo de informação ou outro perfil.

À quem beneficia este acúmulo e sobreposição de informações repetidas ad nauseam? Será que a informação não ficará oculta da maioria dos mortais em meio a imensa quantidade de dados que circulam? Alguém aí reparou como estão menos proveitosas e mais difíceis as buscas depois que perfis e alterações de status começaram a ser indexados?

Todavia, … nestas redes que formamos, podemos criar muita coisa boa individual e socialmente. A pergunta é: como aproveitar isso sem incrementar a banalidade e sem reforçar a alienação? Todos estes maravilhosos e nem tão maravilhosos novos meios nos usam em maior medida do que nós pensamos os estar usando.

“Não é mais o trabalhador que emprega os meios de produção, mas os meios de produção que empregam o trabalhador” (Marx, O Capital, I, p.357)

O que Marx não previu foi que chegaríamos na mais-valia total, na maior alegria. ((em contrução))

* imagem é CC criada por im a partir de http://www.luclatulippe.com/ e do icone do Buzz.

Tags: , , , ,


dez 21 2009

Professores na rede

Categorias: educação,redes sociaisSuzana Gutierrez @ 22:13

Nesta semana, além das inúmeras atividades que todos os professores têm no final do ano, finalizei um artigo que, em grande parte, fala sobre a presença dos professores na rede.   Eu, que estou por aqui, desde o começo 🙂 , como quem chega cedo numa festa, pude ficar observando a chegada dos colegas. E, desde o ano passado,  me surpreendo com o crescmento tanto quantitativo, quanto qualitativo desta presença de professores e professoras na rede.

Em 2005, segundos os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), apenas 48% dos profissionais da educação brasileiros possuíam computador em casa e 37% possuíam acesso a internet. Mesmo assim, segundo esta mesma fonte de dados, 54% destes profissionais efetivamente acessam a internet, sendo que a maioria acessa de casa e/ou do local de trabalho (IBGE, 2007, alguém me consegue este link?).  Segundo os dados referentes a 2008, de modo geral o acesso cresceu 75% e, assim, fazendo um paralelo, possivelmente dobrou o nùmero de professores com acesso em casa e, creio que está perto dos 90% o número daqueles que acessam (ponto).  Estes dados quantitativos são apenas parte do quadro, porque o acesso é uma parte pequena desta questão de ser\estar na rede.

Diferentemente do simples acesso, quando o professor ‘entra’ na internet, navega um pouquinho, ‘abre’ os emails e ‘sai’, o que temos agora é uma permanência, que se evidencia nos blogues, no pipocar de mensagens no twitter, no diálogo permanente das listas de discussão. Em especial os blogues caracterizam bem esta fase do professorado na rede. pois proporcionam uma presença on-line dinâmica, histórica, que facilita a constituição de redes de relações sociais. O blogue acolhe uma rede pessoal de aplicativos, recursos, interesses do professor e facilita o contato com seus pares e os demais  fluxos comunicativos.

Quando se fala em ambientes personalizados de aprendizagem (PLE) eu sempre vejo alguém pilotando o seu blog e estacionando em algum drivre-through de aprendizagem. Rede distribuída, aberta, altamente dinâmica. No meu entender, parte do futuro da aprendizagem on-line que supera os ambientes mais rígidos e controlados. Infelizmente, ainda sem muito espaço formal.

A sala de aula, presencial ou não, ainda é considerada como um ambiente que deve ser privado e, mesmo, privatizado, pois o conhecimento que ali pode ser construído pertence ao professor, ao curso, à escola, à universidade. Compartilhar o processo de ensinar-aprender de uma forma ampla esbarra nas questões de privacidade, propriedade, controle. O ambiente virtual de aprendizagem fechado, com senhas de acesso, com espaços delimitados para alunos, tutores, professores, administradores, que em sua maioria não admite visitantes, chega a ser mais fechado e controlado que a escola presencial.

Todavia, os professores estão invadindo a rede e formando redes. Meio atrapalhados, seduzidos pelas novidades e pelos cantos de sereia de algum tipo de notoriedade espúria, porém experimentando, vivendo a rede e fazendo escolhas. Criando o que eu penso ser uma coisa muito importante: um espaço que escapa dos controles institucionais, um espaço que é extra, mas, também, inter-institucional.  Rede que permite a criação das pequenas contra-hegemonias que podem mudar a educação.

🙂 estava pensando alto… daqui a pouco eu continuo, ou não.

Tags: ,


nov 27 2009

links como relações sociais

Categorias: blog,links,redes sociaisSuzana Gutierrez @ 11:08

Um link é uma passagem para uma outra dimensão do texto, do contexto, da opinião, da relação. Pode ser uma mão estendida e pode ser um dedo acusador. Pode ser uma referência, também, uma lembrança de caminhos onde a relação permanece como possibilidade.

Na minha pesquisa os links são importantes e reveladores, pois marcam, descrevem sem fixar o fluxo das relações. As ligações das listas de links (blogroll) apresentadas nos blogues  são recomendações e marcas de identidade. Eu gosto, eu leio, eu recomendo, eu estou ligado(a) à… Acompanhados do feed, avalizam e reforçam a recomendação: eu leio e publico, assino embaixo.

Os links no meio do texto propõem diálogo,  concordam, discordam, indicam, esclarecem, ampliam o alcance do texto (hipertexto). Abrem a possibilidade para novos sujeitos no diálogo.  Pelos motores de busca e pelos trackbacks e outros suportes de retorno, praticamente arrastam leitores e outros textos para o texto.  São parte da formação da rede, uma parte que dá contornos a rede, um aparente formato, que, analisado em profundidade, revela muito sobre a rede.

Links indiretos por meio de trackbacks (ligação de retorno e referência), de acessos via buscadores, de comentários são outras possibilidades de ligação.  Os comentários, além de trazerem liks,  são, eles mesmos,  links gerados pelo leitor que intervém no texto concordando, discordando, esclarecendo, propondo, também.

Analisar as relações sociais entre pessoas, por meio dos seus blogues e considerando o fluxo das ligações,  mostra, por exemplo, que a rede formada pela ‘lista de links’ não repete a rede de conversação pelos links de texto ou pelos comentários. Neste sentido, os diversos momentos destas redes podem auxiliar a compreender a dinâmica destas relações e as suas possibilidades para os sujeitos envolvidos. Podem, também,  alavancar estudos\propostas que visem facilitar, otimizar, promover a formação de algumas redes.

((apenas pensando alto, sem esquecer que todos estes suportes tecnologicos são históricos e configurados pelo contexto de sua época))

Tags: , , ,


nov 09 2009

Novo Orkut

Categorias: redes sociaisSuzana Gutierrez @ 12:11

Não vou me estender falando das novidades da nova interface, pois outros analisaram com mais detalhes:
)) Google finalmente apresenta o novo orkut; conheça algumas novidades
)) Análise da interface do novo orkut

Fiquei curiosa em observar como se daria a difusão dos convites. Na minha rede de contatos,  no dia 7/11, o panorama era o seguinte:

novo orkut

Não convidei ninguém e fiquei usando a interface antiga, pois na nova não é possível ver aquela marca de quem está convidado ou usando o novo orkut. Verifiquei a minha rede, separei os contatos com novo orkut e tracei as conexões entre eles. O resultado foi 3 porções da rede, mais ou menos clusterizadas e alguns contatos dispersos (considerando a rede de meus contatos).

Ainda não aprofundei nada em relação a estes dados e nem sei se terei tempo, pois foge ao que ando estudando. Achei interessante o fato que as redes mais ou menos repetem as proporções de contatos de cada tipo. E observei de forma casual que os meus contatos mais velhos (colegas professores e amigos) quase não receberam convites e que a efervescência no meio da gurizada é bem maior (óbvio).

Seria interessante uma nova rodada de verificação para ver a evolução dos convites. Vamos ver se consigo fazer isso ainda esta semana. No final de semana será impossível. pois vou trabalhar o tempo todo. Em todo caso, socializo aqui, pois deve ter alguém estudando isso.

update em 27 de novembro:

Uma correção: a primeira leva tem 40 novorkutados 🙂  Fiz uma recoleta de dados na quarta e garimpei mais 39. Redistribui considerando as minhas subredes. Ficou um panorama assim:

rede

Um crescimento mais acelerado no meio da rede maior e mais jovem e da rede do pessoal da comunicação e áreas afins ligadas a internet:

disseminação

disseminação

O povo da educação largou atrás e vai devagarinho 🙂  Claro que algumas destas categorias se sobrepõem e são mais numerosas originalmente. Estes dados originais não tenho de forma correta;  precisaria investir um tempo acertando a classificação dos contatos do Orkut. Não tenho como fazer isso agora.

Eu planejava, também,  uma nova rodada para o dia 15, para observar as tendências, mas não foi possível. Deixo aqui estes dados só para registrar a minha curiosidade.

… em construção RE

Tags: , ,


set 08 2009

O suporte x o processo (e suas relações)

Categorias: edublogosfera,educação,redes sociaisSuzana Gutierrez @ 18:00

Em maio passado saiu no portal Conexão Professor um especial sobre Redes Sociais.  Paricipei da matéria falando de blogs, redes sociais e educação. Hoje, no grupo edublogosfera, enquanto discutíamos conceitos como “edublog”, “blog educativo”, “blog pedagógico”, localizando suas definições, usos, semelhanças e diferenças, lembrei da entrevista.

Na época eu havia pensado em publicar a íntegra da entrevista um tempo depois, mas no final acabei esquecendo.  Agora, pensando nas dificuldades de se articular conceitos, trago as perguntas e respostas que ampliam o que está na matéria e que contém um pouco do que penso sobre o que discutimos hoje.

Não falo sobre estes conceitos que ligam blogs e educação, mas falo sobre o equívoco de confundir a relação com o suporte. Isso acontece também quando o assunto é rede social.

Estas respostas foram dadas ao Luiz Eduardo Queiroz e em parte usadas na excelente matéria, que teve um espectro muito mais amplo.

Lá vai:

1 – Qual o papel das novas tecnologias na Educação? Como os professores devem se preparar lidar com elas?

A tecnologia sempre teve um papel importante no contexto social, pois, ao mesmo tempo em que é produto da sociedade, ela também é construtora desta mesma sociedade. A escola, como instituição social, se insere neste contexto e, ao mesmo tempo em que é fruto da prática social, pode ser transformadora desta mesma prática. Assim, o papel que a tecnologia desempenha e vai desempenhar vai depender destas nossas escolhas e construções como sujeitos históricos.

Neste momento e tendo como referência as tecnologias da informação e da comunicação e a educação, pode-se afirmar que elas exercem uma tensão importante nas formas como se aprende-ensina, tensão esta que abre possibilidades de romper com as estruturas educacionais e com a organização da escola.

Porém, a mesma tecnologia que pode propor espaços de transformação é a mesma que reafirma o pensamento hegemônico da sociedade capitalista, que tende a explorar o trabalho. Assim, a tecnologia que poderia aumentar o nosso tempo livre, não raro é usada para nos aumentar o tempo de trabalho ou degradar as condições de trabalho. Um exemplo pode ser encontrado em algumas iniciativas do uso de educação a distância (EAD), nas quais professores são contratados para funções e atividades normais de professores, porém são chamados tutores e trabalham sob contratos temporários, sem plano de carreira, sem direitos trabalhistas.

Neste tema, também, não podemos esquecer que existem escolas e sistemas educacionais nos quais as tecnologias, que estão definindo modos de ser e fazer, ainda são tecnologias que entendemos como dadas e universais: energia elétrica, instalações hidráulicas e sanitárias, espaço e material para artes e educação física.

2 – Você acredita que as redes sociais da Internet possam ser trabalhadas em sala de aula? De que forma elas podem ser aplicadas no dia-a-dia da Educação?

Uma rede social é uma rede de relações sociais e elas já são parte da escola de inúmeras maneiras desde que a escola existe.

Se a pergunta se refere à redes sociais online, devemos considerar os diversos suportes que estas redes poderão usar. Existem redes sociais formadas em sites de redes sociais (SRS), como o Orkut, Facebook e outros. Existem redes sociais online com suporte em blogs, wikis . Existem redes sociais apoiadas por sites de grupos de discussão e forum, sites de troca de arquivos, sites de compartilhamento de música, vídeo, imagens etc.

No meu entender, as redes sociais que podem se formar nestes e em outros suportes podem ser usadas no cotidiano da educação. Seja pela dimensão comunicativa destes suportes, seja pela pré adesão dos alunos que, em grande parte, já estão lá.

Todavia, estes suportes apresentam vantagens e desvantagens no apoio de uma rede social que será usada com objetivos educacionais. Estes limites e possibilidades devem ser considerados em relação a proposta e aos objetivos educacionais. Assim, o que vem primeiro é o projeto educacional.
Por exemplo, se o objetivo for o contato e a realização de atividades colaborativas, o suporte wiki para a rede social é mais adequado que uma comunidade no Orkut.

3 – Qual a importância hoje das redes sociais no universo jovem? Que benefícios elas podem trazer para o desenvolvimento de crianças e adolescentes? Quais os perigos?

Vou responder considerando redes sociais online. Redes sociais são redes de relações sociais e as redes sociais online em muito repetem as configurações das redes sociais que interligam os jovens no contexto offline. Estas interações que se produzem on e offline são o fundamento da sociabilização do jovem, são grande parte do conteúdo do seu cotidiano. É nestas redes de relações que o adolescente engendra sua identidade e aprende.

As redes sociais online, pelos suportes, em geral, públicos, trazem para este contexto uma série de possibilidades, desafios e, até, perigos. Um benefício é a possibilidade de comunicação para aquelas crianças e jovens que têm dificuldades de exercer esta sociabilidade presencialmente, seja por características físicas, seja por características psicológicas. Para os demais, a comunicação em redes sociais online aumenta as possibilidades de interação e abre canais diferentes de interação, seja pela possibilidade do texto escrito, seja pelo uso de outras mídias.

Para todos, as redes sociais online tendem a expandir o número de contatos e a auxiliar na manutenção de todos os contatos.

A lista dos perigos ao mesmo tempo que tende a se ampliar é relativa. Ela é proporcional ao cuidado e a participação dos pais, professores e outros adultos que possam orientar os jovens em mais esta dimensão de sua sociabilidade. Nesta zona de cuidados está a constatação de que a rede pública é ampla e não se pode determinar com certeza quem é aquele outro que ali interage. A interação online é muito absorvente e pode ocupar o espaço de outros tipos de relacionamento social importantes para os jovens, como, por exemplo, as atividades esportivas e de lazer.

4 – Como os weblogs podem ser utilizados na Educação?

A meu ver, os weblogs terão cada vez maior importância, especialmente na comunicação e na educação. Atualmente, o formato weblog, vem sendo usado em diversos tipos de publicação, entre elas, encontram-se páginas pessoais, páginas temáticas, diários de pesquisa, ambiente colaborativo, clipping jornalístico, etc.
De sua origem como suporte de expressão unicamente individual, tornou-se uma forma de publicação em co-autoria. O contínuo fluxo de informação entre blogueiros tende a formar redes sociais interlinkadas que são altamente comunicativas, a polifonia e a intertextualidade amplificando o alcance da rede.

Por todas estas razões, os weblogs vêm sendo cada vez mais usados como ambientes de construção colaborativa\cooperativa do conhecimento e, principalmente, como ambientes pessoais\personalizados de aprendizagem. Neles, o blogueiro agrega recursos e ferramentas, estabelece a sua presença online e a ligação com outros blogs, promovendo o uso social da informação e do conhecimento, construindo redes sociais.

Penso que os weblogs, usados em projetos educacionais, podem potencializar a autoria e a autonomia, pelo exercício da expressão criadora escrita, artística, hipertextual e multimídia. Pela sua própria estrutura, que inclui arquivos, comentários, links de retorno etc., são dialógicos e possibilitam o retorno à própria produção, a reflexão crítica, a re-interpretação de conceitos e práticas. Permitem, assim, que professores e alunos consolidem novos papéis num processo onde todos ensinam e aprendem.

O blog pode registrar de forma dinâmica todo o processo de construção do conhecimento e abrir espaço para a pesquisa, dando visibilidade, alternativas interativas e suporte a projetos que envolvam a escola como um todo e, até, as famílias e a comunidade.

5 – O que podemos esperar em termos de redes sociais para o futuro? Quais são as principais tendências?

Vou falar sobre as redes sociais online. Com o desenvolvimento da web, que é cada vez mais interativa e social, penso que passaremos por um período em que surgirão diariamente novas alternativas de suporte para as redes sociais. E estas alternativas terão características diferentes segundo o ponto de interesse (música, comunicação, vídeos, jogos, …) que procurarem atender. Algumas vão desaparecer em pouco tempo, outras se transformarão, outras, ainda, vão compor novas alternativas híbridas. Algumas se consolidarão e farão história, como os blogs.

Por outro lado, as apropriações que serão feitas individual e coletivamente sobre estas tecnologias vão gerar configurações de rede que podem transgredir os objetivos iniciais dos desenvolvedores. Um exemplo, no meu entender, é o Twitter, que nasceu sob o mote “o que eu estou fazendo” e, atualmente, expressa muito mais “o que está acontecendo”.

Outro movimento é a tendência crescente de convergência de todas estas tecnologias com as tecnologias móveis e sem-fio e, também, a tendência de uma cada vez maior pervasividade.
Crescerá, também, a preocupação com a privacidade nas redes sociais em suportes públicos, numa tendência de reservar informações e de criação de sub redes de contatos com mais ou menos acesso às informações pessoais.

Penso que as redes sociais serão cada vez mais inseparáveis em suas dimensões off – on line e o acesso perderá aquela conotação de “entrar na internet”, pois em e na rede sempre estaremos.

Em relação à educação e à escola, penso que as redes sociais (nas suas dimensões inseparáveis on e offline) serão responsáveis por grandes transformações nas formas como se ensina-aprende. Porém, estas transformações tendem a ser lentas enquanto a estrutura maior que rege a educação não for transformada. Por exemplo: o vestibular é uma estrutura que impede algumas possíveis transformações.

Tags: , , , , ,


set 07 2009

No dia da in (ter) dependência

Categorias: academia,edublogosfera,educação,pesquisa,rede,ticSuzana Gutierrez @ 07:09

blogagem coletiva

publicação coletiva

Aderindo a blogagem coletiva, resolvi publicar agumas idéias que, faz muito tempo!,  penso serem essenciais quando se pensa em mergulhar na rede.

Nos vários espaços onde se reúnem professores, reverbera o chamamento ao uso das tecnologias da informação e da comunicação, a condenação da resistência e o clamor por acesso e inclusão.  Ressoa nos canais de comunicação  a celebração da educação a distância como se ela não fosse educação, fosse algo fora, acima, coisa de inciados sem paciência com o que apontam como  pensamento retrógrado.

Grande parte disso tudo passa pela superficialidade e, em muitos casos, opta por um pragmatismo alienado que tende a descartar as tentativas de se por o dedo nas feridas que teimam em aparecer.

Falar em independência é compreender a autonomia, não como coisa, como algo congelado numa definição, mas como relação social que parte da consciência da nossa interdependência, do nosso vínculo forte com o outro. Vínculo tal que faz com que alguns insistam, persistam, repitam, mesmo contra toda a negação da crítica.

E é na perspectiva desta autonomia que penso o diferencial que pode haver nesta entrada cada vez maior de professores na rede.  Pois os professores estão aí, vindo entusiasmados ou desconfiados das diversas formações propostas, vindo por um acaso fruto de maiores possibilidades de acesso, vindo por obrigação, constrangidos por gestores, pelos pais, pelos alunos, …  Entrando na rede, enfim.

E é para este grupo de colegas que eu gostaria de falar, de propor uma pedagogia do puxadinho, um jeito hacker de viver a rede. Quero propor a eles que chutem para o lado todo o receituário, sobretudo o que limite a sua ação, ou seja,  os pode não pode daqueles que, por em absoluto não compreender a rede, vivem tentando controlá-la.

Resgato,  metareciclo, reproduzo, recriando, remixando, refazendo, algumas das minhas idéias de 2004, pois   “a realidade humana não é apenas produção do novo, mas também reprodução (crítica e dialética) do passado” (KOSÍK, 1976, p.150)

Colegas, olhem para a sua formação e pensem na formação de seus alunos dentro de um contexto que privilegie e  promova a pesquisa (as perguntas!). Uma pesquisa que considere a realidade das instituições educacionais e que, a partir desta realidade, construa alternativas de criação e uso da tecnologia.

Prefiram as ações que promovam a autonomia e a autoria no trabalho com as tecnologias e potencializem a opção \ apropriação tecnológica consciente.

Considerem as possibilidades da cultura hacker, do movimento software livre, dos ambientes públicos, interativos e abertos, das formas colaborativas e cooperativas de trabalho, como exemplos de uma reconstruída relação com o conhecimento, como bem humano.

Não se fechem na academia (na escola), ao contrário, descubram os espaços onde a rede invade a academia ,a escola e tudo mais. Façam destes, espaços de vida.  Evitem, também, os feudos que se criam na rede e replicam as formas fixas, pobres e unidirecionais de comunicação e, pior, de educação.

Conjurem as instâncias de apoio (os Núcleos, NTEs, Proinfos) para que partam da imersão na rede, na sua cultura, e, muito mais,  na sua contra-cultura; do que é instituído pelos órgãos educacionais, porém, muito mais pelo que é instituinte e negador, que se coloca como possibilidade, como as alternativas livres que emergem na e da rede.

Lembrem que a rede é rede e o outro é o caminho. Pliquem, repliquem, tripliquem, mantenham o fluxo 😀

Acreditem em si mesmos, no potencial transformador da sua prática, na beleza da sua busca, na segurança da sua experiência, no poder redirecionador dos erros (é por aqui que venho andando, não sem alguns tropeços)

Não aceitem tudo isso que escrevi como diretriz e, sim, como possibilidade de caminho à construir. Mergulhem na rede nos seus termos, como os botos e não como as sardinhas.

in-ter-dependencia

in-ter-dependencia

O texto ficou com jeitinho de discurso… Perdão!!!!!!!! 😳 Afinal, é sete de setembro e algum tom heróico pode retumbar no meu brado. ops! 💡

….siga http://tinyurl.com/interdependencia

….leia todos na: interdependência


Tags: , , , , ,


ago 08 2009

Para pensar o #twitterfail e a rede

Categorias: comunicação,informação,rede,redes sociaisSuzana Gutierrez @ 14:31

Nestas últimas horas, uma diversidade de leituras que fiz, originadas de diversos caminhos da rede provocaram algumas reflexões sobre o recente problema do Twitter. Dois dias atrás, sob um previsível e comum ataque DDoS, o Twitter caiu.

Brinquei aqui sobre uma possível síndrome de abstinência de alguns usuários mais aficcionados, daqueles que não vão ao banheiro sem antes anunciar no twitter. Os que possivelmente ficam sujeitos às mais hilárias críticas, principalmente as que falam da relevância do “que eu estou fazendo” da maioria dos mortais.

Fiquei pensando sobre este EU (primeiro círculo) que, repentinamente, perdeu sua identidade, desligado que foi dos únicos e aligeirados caminhos de expressão. Os EU de 140 caracteres tiveram que, por algumas horas, olhar para si em outros termos. E se, nisso, puderam vislumbrar um pouco do contexto e fazer algumas poucas relações, foi grande o ganho.

Pelo menos foi possível refletir sobre os problemas do pensamento único, ou do desalento de supor que “não há alternativa“. Ou, ainda, se surpreender com a constatação de que elas existem e que, para dizer o mínimo, é estratégico ter alternativas. Quando uma rota  está bloqueada, nossos elos cooperativos se formam por outras.

A rede tem muitos caminhos e a distribuição é o segredo para o seu não rompimento. Na prática, quando alguns caminhos se fecham ou se tornam irrelevantes (e para isso nem precisa um ataque de clones teleguiados, mesmo que eles existam aos montes), é preciso olhar com atenção para as possibilidades em volta. Para as existentes, as quais por vezes deixamos em espera, e para aquelas que existem só em potência.

Esta semana ativei e reativei alguns caminhos e me desviei de outros. Um dos que reativei foi este aqui. Livre e de código aberto, que ‘conversa’ com o outro, mesmo que a recíproca ainda não seja verdadeira. O identi.ca é uma instalação do laconi.ca, um software livre, de código aberto, que faz o mesmo que o twitter em servidores distribuídos.

Não faço parte dos que abraçaram o twitter como forma de caminho único. Aliás, um dos meus camnhos preferido é o RSS, que reúne e tem recuros para manejar\filtrar\refiltrar\compartilhar informações. Uso, atualmente, o Google Reader para ler os meus feeds, compartilhá-los, postar em blogues\listas de discussão, comentar o que meus amigos e parceiros  compartilham e, até, para me comunicar (notas compartilhadas).

O importante nestas reflexões um tanto fragmentadas é apontar que é preciso aprofundar a reflexão, quando se pensa a rede.  Sair um pouquinho da superfície e da efemeridade dos últimos bits que circularam.  Principalmente quando se tem consciência de que somos construtores das redes e que temos uma boa autonomia nisso.
Ler, também:

RSS Clouds

Building the user-centered web (7)

Tags: , , , , ,


jul 21 2009

Compartilhando informações

Categorias: redes sociaisSuzana Gutierrez @ 17:39

Como as pessoas compartilham informações:


* clique para aumentar a imagem

A idéia é usar o Facebook para ficar por dentro do que anda rolando.

Contexto!

via Silicon Alley Insider

Tags: , , , ,


maio 25 2009

—- motivos para não cometer twitter … cídio

Categorias: redes sociaisSuzana Gutierrez @ 15:49

Eu ia completar a entrada anterior, mas resolvi escrever outra. Até porque esta aqui segue um outro rumo. O interesse é registrar aqui, na esteira do meu percurso, um pouco do que observo daquilo que ocupa, neste momento,um considerável espaço na rede.

Independente do que venho observando no Twitter em si, ou lendo nos muitos ensaios sobre ele, encontro alguns motivos para pensar que o movimento de apropriações pode achar espaços interessantes para os resumidos 140 caracteres.

Em relação ao que é publicado sobre o Twitter, vou confessar que leio meio na diagonal porque o tema não é uma prioridade para mim, mas gosto, por exemplo, de ler o que escreve a Raquel Recuero que procura teorizar sobre dados empíricos cuidadosamente garimpados.

E, por outro lado, me divirto um pouco observando o pessoal pilotando a onda, deslizando pelos caminhos da visibilidade. Expondo em 140 caracteres porque trocou o RSS pelo Twitter, por ex.

Então, aí vão algumas possibilidades que eu penso serem caminhos de uma apropriação interessante, baseadas numa rede twitter ampliada:

1 – explorar as possibilidades de uma rede imensa de gente “à postos”.

2 – as #hastags usadas para reunir informações sobre eventos / situações / lugares / movimentos (embora cabia um filtro à mais aqui). Em especial acontecimentos que necessitam mobilização-informação ou informação alternativa. (apesar da possibilidade grande de spam)

3 – o uso de uma #qualquercoisa para reunir uma conversa de um grupo.

4 – a possibilidade rápida de mobilização inteligente usando a rede, os RT e as #…., combinando com SMS.

5 – os canais BEM específicos de notícias (avisos) BEM curtas em tempo real. Ex: eu assino @rebote que dá notícias sobre o que anda rolando no basquete.

6 – o refino da busca em conteúdo do Twitter combinado com RSS.

Ainda assim estas coisas podem ser feitas combinando SMS, email, feed RSS, listas de discussão e blogs, embora diminuindo o espectro público e de rede mais ampliada.

E, btw, o Twitter poderia ter furado o desconto na gasolina. Abasteci o carro hoje antes das 7 da manhã 🙁

Tags: ,


maio 24 2009

o Twitter, o ruído e a relevância

Categorias: redes sociaisSuzana Gutierrez @ 04:37

Vou iniciar esta entrada avisando que não se trata de uma análise das possibilidades do Twitter a partir de uma pesquisa sistemática. Vou falar de algumas de minhas observações como usuária antiga, porém muito muito leve do Twitter.

((a imagem aí do lado é brincadeirinha; o Garfield comeu foi a baleia))

((eu twittei 687 vezes desde agosto de 2007; são 21 meses = +- 32 twitts/mes = +- 1 por dia))

Sigo e sou seguida por poucas pessoas: sigo 117 e sou seguida por 270. Portanto, usuária bem leve.

Agora as minhas observações:

1 – o volume de mensagens que recebo de cada um dos “seguidos” mantém uma curva constante. Mais ou menos uma senóide que não passa para o lado negativo do eixo y, mas que fica meio que abaixo da média do usuário.

2 – os picos que fogem bastante da média coincidem com algum “evento” que atravessa a rede.

3 – Nos últimos 20 updates (9 usuários) dos meus seguidos:

pessoal …………………… ============
informacao ………………. =====
links ………………………. ====
gp mônaco ………………. ===
compartilhar (vídeos) ….. ==
@xxx ……………………… =
#xxx ………………………. =
noticia
diálogo
RT

Por ser domingo, 9h, o “pessoal” suplanta o “informacional”? O que eu estou fazendo > o que está acontecendo. Em 27 de abril (uma segunda-feira), às 10h, fiz, pela primeira vez, esta manobra de olhar os últimos 20 twitts:
18= notícias, indicação de textos; 3 respostas, papo, saudações gerais; zero mensagens diretas

4 – Dos 20 updates, 2 trouxeram informações relevantes (para mim), porém uma delas já recebida e lida via RSS. Se eu gostasse de corridas de carro, acharia mais 3 interessantes do ponto de vista da interação.

5 – nenhum diálogo, nenhuma notícia (das refências ao GP somente uma podia ser considerada quase uma notícia)

6 – meus seguidos são ‘quietinhos’ :), até porque não sigo tagarelas 🙂 Quando recebo um novo seguidor, sempre penso em retribuir, dependendo do que leio nas suas mensagens. Nem sempre é possível… Estes dias, recebi um seguidor (usuário pessoal) que, em menos de um ano, tinha uns 30.000 updates, numa média de mais de 80 por dia, 4 por hora. Isso se ela (era ela) não dormir! Óbvio que não vou seguir, mesmo que ela fosse a pesquisadora mais importante da minha área.

7 – Recebo novos seguidores diariamente e venho notando o aumento incrível dos seguidores que não são pessoas. Alguns seguidores seguem milhares e, entre os seguidores que são pessoas, notei o comportamento de seguir e abandonar. Isto é, seguem para serem notados e retribuidos e, em seguida, abandonam, porque a missão era apenas arrecadar seguidores.

8 – os textos, artigos, notícias, … sobre o Twitter aumentam muito na web (inclusive aqueles que falam de irrelevância em 140 caracteres), embora eu pense que o pico em termos quantitativos já foi atingido. Aqueles que aproveitam o “barulho” tendem a procurar uma nova fonte de barulho ciclicamente. Os que ficam pegando onda e tentando se manter na crista de algum tipo de exposição midiática. Quando o mar acalmar, restarão os textos dos que estão realmente usando, pensando, pesquisando o Twitter.

9 – nos últimos 2 meses é significativo o ingresso do professorado no Twitter, especialmente os do ensino básico.

10 – Estas minhas obsevações esparsas e em tópicos diversos não permitem fazer nenhuma inferência consistente de para onde vai o Twitter, mas podem sinalizar algumas tendências gerais.

11 – Uma das constatações que vai ficando cada vez mais clara é que eu encontro pouca informação relevante no Twitter. Os dois últimos que me interessaram, um foi lembrando o horário de uma transmissão de jogo de basquete (usuário não pessoal) e outro foi o link para um artigo (usuário pessoal). Estes dois twitts estavam em meio à uns 50 outros. (ruído!) Recebo informações mais contextualizadas, relevantes e interessantes compartilhadas pelos meus contatos escolhidos no google reader, por ex.

12 – Pesquisar os #xxx ajuda em situações nas quais o imediatismo da informação é mais importante que a profundidade. (o quê está acontecendo??!!) Quando a consistência e a coerência são a questão, procuro as minhas fontes mais consideradas e outras formas de busca (nos feeds, por ex).

Todavia, não cometerei um twittercídio e nem vou escrever uma entrada predizendo a morte do Twitter por irrelevância galopante, pois não é assim que funcionam as coisas. Penso que o twitter ainda não achou um ponto de equilíbrio a partir das apropriações dos usuários. E nem os usuários se estabilizaram em termos de quem entra e quem fica e, principalmente, o que vai nos seus 140 caracteres.

* esta entrada poderá ser atualizada seguidamente…

Tags: ,


maio 04 2009

Redes sociais e Educação

Categorias: blog,educação,redes sociais,suzana gutierrezSuzana Gutierrez @ 16:15

Saiu no portal Conexão Professor um especial sobre Redes Sociais. Participei em algumas partes da matéria, em especial nas redes sociais e educação e nos blogs.

Blogosfera: um universo a ser explorado pela educação

Redes sociais e Educação: construindo, juntas, o futuro

A matéria construída por Luiz Eduardo Queiroz é bastante abrangente e trata de diversos assuntos que rodeiam o tema das redes sociais. Presentes, também, neste especial: Raquel Recuero, Carlos Nepomuceno, Sérgio Lima, Lilian Sarobinas, entre outros professores e pesquisadores.

Link para o início do especial:

Especial Redes Sociais

* a imagem é do portal e ilustra a matéria.

Tags: , , , ,


Próxima Página »