dez 06 2008

O que eu aprendi sobre a aprendizagem em 2008

Categorias: educaçãoSuzana Gutierrez @ 07:21

Esta é a questão proposta pelo Learning Circuits para dezembro. A idéia é responder e linkar o original “What did you learn about learning in 2008?“.

Proponho que linkem, também, esta minha resposta e as demais que forem surgindo para formarmos a rede, o que vai ampliar o debate.

O que eu aprendi sobre a aprendizagem em 2008?

A resposta absoluta (e contraditória) seria: apesar de muito, nada. É que, no meu entender, aprendizagem é processo sempre inacabado, recursivo, dialético. As minhas certezas estão sempre dialogando com as as minhas dúvidas e, assim, nunca perdem a sua provisoriedade.

Em 2008, procurei estar atenta para aquilo que se situa nas fronteiras dos conteúdos, nas entrelinhas de nossos planos de aula. Aprendi que posso planejar um pouquinho estas brechas e, nelas, dar espaço para que emerjam questões, ações, processos que geram mais aprendizagem.
Procurei conhecer um pouco mais sobre as tendências e os movimentos de aprendizagem em e na rede. Tentei melhorar as formas de colaborar e compartilhar e, neste processo, ando me questionando sobre as formas e os meios de atuar neste campo. Foi enriquecedor, por exemplo, o uso do Google Reader e das possibilidades de ser parte de uma rede onde circula a informação já filtrada, recomendada, comentada e, em muito, discutida.

Nos contatos online, nos diversos espaços e redes, estou aprendendo a aceitar que é impossível dar conta de tudo, pricipalmente das solicitações que vem direto, pedidos de auxílio, de recomendações. Procuro responder, mas estou aprendendo a trabalhar com limites. Às vezes, a melhor ajuda é dedicar meu tempo a refletir e compartilhar a minha reflexão sobre assuntos que considero importantes (e não só para mim), em vez de dar receitas que a curto prazo ajudam, mas a médio prazo não contribuem para a aprendizagem de ninguém.

Ainda neste campo das relações na rede, venho aprendendo a ter paciência com a aprendizagem do outro (e isso aqui para mim é muito difícil). Já melhorei bastante, mas estou longe ainda de ser alguém “adorável” neste quesito.

Tenho procurado lembrar, em todas as situações que surgem, dos limites que a comunicação online tem. Por trás de uma ação, de um texto, existe um iceberg de outrros textos, ações, reações, sentimentos e sentidos, que não estão a disposição de nossa interpretação. Principalmente em relação a comunicação que usa somente uma forma de expressão: oral, escrita, visual, …

Quando os meios que dispomos para comunicar são parciais, insuficientes e, até, falhos, podemos recriar Nietzche e pensar em interpretações ao invés de verdades. (e até nesta interpretação de Nietzche isso vale)

Assim, do que leio, vejo, escuto na rede, tenho tentado não julgar, não classificar, pois estou diante de apenas uma parte muito pequena da realidade que circunda, inclui e põe as condições para aquela comunicação. É difícil e as recaídas são bem constantes. Exatamente como na nossa conhecida e reprovável mania de emitir julgamentos sobre pessoas e fatos. Online é mais complicado ainda. Para mim, como pesquisadora esta é uma aprendizagem muito importante.

E estou aprendendo um pouco sobre o Conectivismo. Aliás, como não pude participar ativamente durante o CCK08 , a idéia é tentar rever o material nas férias.

(este é uma postagem provisória e aberta a atualizações)

Tags: , , ,


dez 06 2008

Refletindo sobre as minhas previsões sobre a aprendizagem em 2008

Categorias: blog,educação,mobilidade,redes sociais,tecnologiaSuzana Gutierrez @ 05:59

Em janeiro deste ano, seguindo a proposta do Learning Circuits em uma de suas “Grandes Questões”, publiquei as minhas previsões sobre a aprendizagem em 2008. Hoje, propus uma pequena avaliação destas previsões. Uma forma de rever o processo e confrontar a dimensão de nossa capacidade de interpretar o contexto e as tendências em educação.

Então, reescrevo e comento as minhas previsões, considerando a minha interpretação do contexto atual. Não se surpreendam com a quantidade de pronomes possessivos 🙂 A idéia é deixar claro que esta esta é uma forma individual e particular de olhar a realidade.

Lá vai:

Eu penso que em 2008 continuará a tendência da valorização e do incentivo da aprendizagem nos espaços não formais. É uma tendência que vem se firmando faz tempo e que está conquistando cada vez mais a atenção dos professores, por exemplo.
Penso que esta previsão foi correta. Espaços não formais como os gerados por redes mediadas por blogs, wikis, sites de redes sociais, e outros ambientes\tecnologias que permitem a interligação e a interação foram suportes importantes de processos de aprendizagem, especialmente para os professores que, aos poucos, vão se apropriando destas tecnologias.

A aprendizagem online também deverá aumentar, conforme aumenta o uso das tecnologias da informação e da comuicação nas escolas. Sites de redes sociais (Orkut), mensagens instantâneas, blogs, wikis, agregadores e o email serão mais usados por professores e alunos.
Esta previsão tem pelo menos 3 desdobramentos. Primeiro: a possibilidade de aprendizagem online realmente cresceu, pois a oferta de cursos online aumentou espantosamente (aqui não entro na discussão sobre a qualidade dos cursos e os interesses em jogo neste movimento de expansão).

Em segundo lugar, este crescimento é relativo nas escolas. Ainda é problemático afirmar que as escolas estão mais “informatizadas”, ainda permanecem muitas dificuldades na maioria das escolas. Ter computadores é apenas parte da questão.

E, em terceiro lugar, blogs, wikis, sites de redes sociais etc., mesmo tendo seu uso expandido, inclusive com educadores tendo conquistado prêmios em Educação com projetos que os utilizam, ainda são muito mal compreendidos nas escolas e, de modo geral, não integram as práticas educativas cotidianas. Em algumas instituições e até em redes educacionais tem o acesso bloqueado.

Apesar das leis contra o uso dos telefones móveis em sala de aula, penso que a educação começará a perceber as potencialidades destes aparelhos no contexto educativo: comunicação, uso de imagem, documentação, mapeamento e , até, cinema.

Penso que a educação começa a perceber estas potencialidades, porém a reflexão sobre isso ainda é muito incipiente. A premência de cumprimento de prazos, conteúdos e dos demais rituais da escola, restringem as possibilidades de aprofundar esta e outras reflexões. Eu acreditava que se pudesse andar mais do que se andou neste tema em 2008.

Dando força para as previsões anteriores, crescerá a mobilidade com a disseminação das conexões sem fio e o barateamento de hardwares mais móveis (notebooks, pdas, smartphones, …)
Mesmo considerando a nova crise do capitalismo internacional, continua crescendo a mobilidade, a disseminação das redes sem fio, o barateamento das alternativas mais móveis de hardware. Além disso, notei um movimento de super oferta destes bens, num sentido de expansão dos tipos e formas, funcionalidades, utilidades e inutilidade, algumas claramente estratégias mercadológicas.

Estes são meus breves comentários, passíveis de atualização, sobre o que eu havia previsto em 2008. Espero que os leitores tirem um tempinho paa contribuir com esta discussão.

Tags: , , , , , , , , , , , , ,