set 08 2009

O suporte x o processo (e suas relações)

Categorias: edublogosfera,educação,redes sociaisSuzana Gutierrez @ 18:00

Em maio passado saiu no portal Conexão Professor um especial sobre Redes Sociais.  Paricipei da matéria falando de blogs, redes sociais e educação. Hoje, no grupo edublogosfera, enquanto discutíamos conceitos como “edublog”, “blog educativo”, “blog pedagógico”, localizando suas definições, usos, semelhanças e diferenças, lembrei da entrevista.

Na época eu havia pensado em publicar a íntegra da entrevista um tempo depois, mas no final acabei esquecendo.  Agora, pensando nas dificuldades de se articular conceitos, trago as perguntas e respostas que ampliam o que está na matéria e que contém um pouco do que penso sobre o que discutimos hoje.

Não falo sobre estes conceitos que ligam blogs e educação, mas falo sobre o equívoco de confundir a relação com o suporte. Isso acontece também quando o assunto é rede social.

Estas respostas foram dadas ao Luiz Eduardo Queiroz e em parte usadas na excelente matéria, que teve um espectro muito mais amplo.

Lá vai:

1 – Qual o papel das novas tecnologias na Educação? Como os professores devem se preparar lidar com elas?

A tecnologia sempre teve um papel importante no contexto social, pois, ao mesmo tempo em que é produto da sociedade, ela também é construtora desta mesma sociedade. A escola, como instituição social, se insere neste contexto e, ao mesmo tempo em que é fruto da prática social, pode ser transformadora desta mesma prática. Assim, o papel que a tecnologia desempenha e vai desempenhar vai depender destas nossas escolhas e construções como sujeitos históricos.

Neste momento e tendo como referência as tecnologias da informação e da comunicação e a educação, pode-se afirmar que elas exercem uma tensão importante nas formas como se aprende-ensina, tensão esta que abre possibilidades de romper com as estruturas educacionais e com a organização da escola.

Porém, a mesma tecnologia que pode propor espaços de transformação é a mesma que reafirma o pensamento hegemônico da sociedade capitalista, que tende a explorar o trabalho. Assim, a tecnologia que poderia aumentar o nosso tempo livre, não raro é usada para nos aumentar o tempo de trabalho ou degradar as condições de trabalho. Um exemplo pode ser encontrado em algumas iniciativas do uso de educação a distância (EAD), nas quais professores são contratados para funções e atividades normais de professores, porém são chamados tutores e trabalham sob contratos temporários, sem plano de carreira, sem direitos trabalhistas.

Neste tema, também, não podemos esquecer que existem escolas e sistemas educacionais nos quais as tecnologias, que estão definindo modos de ser e fazer, ainda são tecnologias que entendemos como dadas e universais: energia elétrica, instalações hidráulicas e sanitárias, espaço e material para artes e educação física.

2 – Você acredita que as redes sociais da Internet possam ser trabalhadas em sala de aula? De que forma elas podem ser aplicadas no dia-a-dia da Educação?

Uma rede social é uma rede de relações sociais e elas já são parte da escola de inúmeras maneiras desde que a escola existe.

Se a pergunta se refere à redes sociais online, devemos considerar os diversos suportes que estas redes poderão usar. Existem redes sociais formadas em sites de redes sociais (SRS), como o Orkut, Facebook e outros. Existem redes sociais online com suporte em blogs, wikis . Existem redes sociais apoiadas por sites de grupos de discussão e forum, sites de troca de arquivos, sites de compartilhamento de música, vídeo, imagens etc.

No meu entender, as redes sociais que podem se formar nestes e em outros suportes podem ser usadas no cotidiano da educação. Seja pela dimensão comunicativa destes suportes, seja pela pré adesão dos alunos que, em grande parte, já estão lá.

Todavia, estes suportes apresentam vantagens e desvantagens no apoio de uma rede social que será usada com objetivos educacionais. Estes limites e possibilidades devem ser considerados em relação a proposta e aos objetivos educacionais. Assim, o que vem primeiro é o projeto educacional.
Por exemplo, se o objetivo for o contato e a realização de atividades colaborativas, o suporte wiki para a rede social é mais adequado que uma comunidade no Orkut.

3 – Qual a importância hoje das redes sociais no universo jovem? Que benefícios elas podem trazer para o desenvolvimento de crianças e adolescentes? Quais os perigos?

Vou responder considerando redes sociais online. Redes sociais são redes de relações sociais e as redes sociais online em muito repetem as configurações das redes sociais que interligam os jovens no contexto offline. Estas interações que se produzem on e offline são o fundamento da sociabilização do jovem, são grande parte do conteúdo do seu cotidiano. É nestas redes de relações que o adolescente engendra sua identidade e aprende.

As redes sociais online, pelos suportes, em geral, públicos, trazem para este contexto uma série de possibilidades, desafios e, até, perigos. Um benefício é a possibilidade de comunicação para aquelas crianças e jovens que têm dificuldades de exercer esta sociabilidade presencialmente, seja por características físicas, seja por características psicológicas. Para os demais, a comunicação em redes sociais online aumenta as possibilidades de interação e abre canais diferentes de interação, seja pela possibilidade do texto escrito, seja pelo uso de outras mídias.

Para todos, as redes sociais online tendem a expandir o número de contatos e a auxiliar na manutenção de todos os contatos.

A lista dos perigos ao mesmo tempo que tende a se ampliar é relativa. Ela é proporcional ao cuidado e a participação dos pais, professores e outros adultos que possam orientar os jovens em mais esta dimensão de sua sociabilidade. Nesta zona de cuidados está a constatação de que a rede pública é ampla e não se pode determinar com certeza quem é aquele outro que ali interage. A interação online é muito absorvente e pode ocupar o espaço de outros tipos de relacionamento social importantes para os jovens, como, por exemplo, as atividades esportivas e de lazer.

4 – Como os weblogs podem ser utilizados na Educação?

A meu ver, os weblogs terão cada vez maior importância, especialmente na comunicação e na educação. Atualmente, o formato weblog, vem sendo usado em diversos tipos de publicação, entre elas, encontram-se páginas pessoais, páginas temáticas, diários de pesquisa, ambiente colaborativo, clipping jornalístico, etc.
De sua origem como suporte de expressão unicamente individual, tornou-se uma forma de publicação em co-autoria. O contínuo fluxo de informação entre blogueiros tende a formar redes sociais interlinkadas que são altamente comunicativas, a polifonia e a intertextualidade amplificando o alcance da rede.

Por todas estas razões, os weblogs vêm sendo cada vez mais usados como ambientes de construção colaborativa\cooperativa do conhecimento e, principalmente, como ambientes pessoais\personalizados de aprendizagem. Neles, o blogueiro agrega recursos e ferramentas, estabelece a sua presença online e a ligação com outros blogs, promovendo o uso social da informação e do conhecimento, construindo redes sociais.

Penso que os weblogs, usados em projetos educacionais, podem potencializar a autoria e a autonomia, pelo exercício da expressão criadora escrita, artística, hipertextual e multimídia. Pela sua própria estrutura, que inclui arquivos, comentários, links de retorno etc., são dialógicos e possibilitam o retorno à própria produção, a reflexão crítica, a re-interpretação de conceitos e práticas. Permitem, assim, que professores e alunos consolidem novos papéis num processo onde todos ensinam e aprendem.

O blog pode registrar de forma dinâmica todo o processo de construção do conhecimento e abrir espaço para a pesquisa, dando visibilidade, alternativas interativas e suporte a projetos que envolvam a escola como um todo e, até, as famílias e a comunidade.

5 – O que podemos esperar em termos de redes sociais para o futuro? Quais são as principais tendências?

Vou falar sobre as redes sociais online. Com o desenvolvimento da web, que é cada vez mais interativa e social, penso que passaremos por um período em que surgirão diariamente novas alternativas de suporte para as redes sociais. E estas alternativas terão características diferentes segundo o ponto de interesse (música, comunicação, vídeos, jogos, …) que procurarem atender. Algumas vão desaparecer em pouco tempo, outras se transformarão, outras, ainda, vão compor novas alternativas híbridas. Algumas se consolidarão e farão história, como os blogs.

Por outro lado, as apropriações que serão feitas individual e coletivamente sobre estas tecnologias vão gerar configurações de rede que podem transgredir os objetivos iniciais dos desenvolvedores. Um exemplo, no meu entender, é o Twitter, que nasceu sob o mote “o que eu estou fazendo” e, atualmente, expressa muito mais “o que está acontecendo”.

Outro movimento é a tendência crescente de convergência de todas estas tecnologias com as tecnologias móveis e sem-fio e, também, a tendência de uma cada vez maior pervasividade.
Crescerá, também, a preocupação com a privacidade nas redes sociais em suportes públicos, numa tendência de reservar informações e de criação de sub redes de contatos com mais ou menos acesso às informações pessoais.

Penso que as redes sociais serão cada vez mais inseparáveis em suas dimensões off – on line e o acesso perderá aquela conotação de “entrar na internet”, pois em e na rede sempre estaremos.

Em relação à educação e à escola, penso que as redes sociais (nas suas dimensões inseparáveis on e offline) serão responsáveis por grandes transformações nas formas como se ensina-aprende. Porém, estas transformações tendem a ser lentas enquanto a estrutura maior que rege a educação não for transformada. Por exemplo: o vestibular é uma estrutura que impede algumas possíveis transformações.

Tags: , , , , ,


set 07 2009

No dia da in (ter) dependência

Categorias: academia,edublogosfera,educação,pesquisa,rede,ticSuzana Gutierrez @ 07:09

blogagem coletiva

publicação coletiva

Aderindo a blogagem coletiva, resolvi publicar agumas idéias que, faz muito tempo!,  penso serem essenciais quando se pensa em mergulhar na rede.

Nos vários espaços onde se reúnem professores, reverbera o chamamento ao uso das tecnologias da informação e da comunicação, a condenação da resistência e o clamor por acesso e inclusão.  Ressoa nos canais de comunicação  a celebração da educação a distância como se ela não fosse educação, fosse algo fora, acima, coisa de inciados sem paciência com o que apontam como  pensamento retrógrado.

Grande parte disso tudo passa pela superficialidade e, em muitos casos, opta por um pragmatismo alienado que tende a descartar as tentativas de se por o dedo nas feridas que teimam em aparecer.

Falar em independência é compreender a autonomia, não como coisa, como algo congelado numa definição, mas como relação social que parte da consciência da nossa interdependência, do nosso vínculo forte com o outro. Vínculo tal que faz com que alguns insistam, persistam, repitam, mesmo contra toda a negação da crítica.

E é na perspectiva desta autonomia que penso o diferencial que pode haver nesta entrada cada vez maior de professores na rede.  Pois os professores estão aí, vindo entusiasmados ou desconfiados das diversas formações propostas, vindo por um acaso fruto de maiores possibilidades de acesso, vindo por obrigação, constrangidos por gestores, pelos pais, pelos alunos, …  Entrando na rede, enfim.

E é para este grupo de colegas que eu gostaria de falar, de propor uma pedagogia do puxadinho, um jeito hacker de viver a rede. Quero propor a eles que chutem para o lado todo o receituário, sobretudo o que limite a sua ação, ou seja,  os pode não pode daqueles que, por em absoluto não compreender a rede, vivem tentando controlá-la.

Resgato,  metareciclo, reproduzo, recriando, remixando, refazendo, algumas das minhas idéias de 2004, pois   “a realidade humana não é apenas produção do novo, mas também reprodução (crítica e dialética) do passado” (KOSÍK, 1976, p.150)

Colegas, olhem para a sua formação e pensem na formação de seus alunos dentro de um contexto que privilegie e  promova a pesquisa (as perguntas!). Uma pesquisa que considere a realidade das instituições educacionais e que, a partir desta realidade, construa alternativas de criação e uso da tecnologia.

Prefiram as ações que promovam a autonomia e a autoria no trabalho com as tecnologias e potencializem a opção \ apropriação tecnológica consciente.

Considerem as possibilidades da cultura hacker, do movimento software livre, dos ambientes públicos, interativos e abertos, das formas colaborativas e cooperativas de trabalho, como exemplos de uma reconstruída relação com o conhecimento, como bem humano.

Não se fechem na academia (na escola), ao contrário, descubram os espaços onde a rede invade a academia ,a escola e tudo mais. Façam destes, espaços de vida.  Evitem, também, os feudos que se criam na rede e replicam as formas fixas, pobres e unidirecionais de comunicação e, pior, de educação.

Conjurem as instâncias de apoio (os Núcleos, NTEs, Proinfos) para que partam da imersão na rede, na sua cultura, e, muito mais,  na sua contra-cultura; do que é instituído pelos órgãos educacionais, porém, muito mais pelo que é instituinte e negador, que se coloca como possibilidade, como as alternativas livres que emergem na e da rede.

Lembrem que a rede é rede e o outro é o caminho. Pliquem, repliquem, tripliquem, mantenham o fluxo 😀

Acreditem em si mesmos, no potencial transformador da sua prática, na beleza da sua busca, na segurança da sua experiência, no poder redirecionador dos erros (é por aqui que venho andando, não sem alguns tropeços)

Não aceitem tudo isso que escrevi como diretriz e, sim, como possibilidade de caminho à construir. Mergulhem na rede nos seus termos, como os botos e não como as sardinhas.

in-ter-dependencia

in-ter-dependencia

O texto ficou com jeitinho de discurso… Perdão!!!!!!!! 😳 Afinal, é sete de setembro e algum tom heróico pode retumbar no meu brado. ops! 💡

….siga http://tinyurl.com/interdependencia

….leia todos na: interdependência


Tags: , , , , ,


ago 12 2009

Edublogosfera no identi.ca

Categorias: edublogosfera,ticSuzana Gutierrez @ 14:03

edublogosfera no identi.ca* logo feito por Vanessa

Esta semana, na cola das rflexões sobre o Twitter e sobre a questão da “distribuição”, um grupo grande de sinapses que se reune na lista edublogosfera migrou para  o identi.ca pelas seguintes razões:

  • continuamos refletindo sobre o que se pode fazer com 140 carácteres
  • identi.ca é software livre de código aberto (laconi.ca) << uma questão de opção!
  • criamos um grupo chamado !edubl que agrega conteúdos bem dirigidos e distribui po rss.
  • quem quiser pode continuar no twitter, postando do identi.ca via identifox, por ex.

* não sei se são as férias suínas (como disse um aluno meu) mas projetos estão pipocando no grupo.

** para quem não sabe,  a Edublogosfera, uma lista aberta e não moderada que tem como objetivo ampliar a rede de diálogos e  reflexões sobre educação, comunicação e tecnologia.

*** hoje é um bom dia para começar um grupo. Teremos até chuva de meteoros, como avisa o Prof Garcia e explica o Apollo 11

Tags: , ,


set 06 2008

Conectivismo e Conhecimento Conectado

Categorias: edublogosfera,educação,teoriaSuzana Gutierrez @ 07:05

Não se surpreendam se encontrarem por aqui a tag CCK08 nos próximos tempos. É que, na medida do possível, vou acompanhar o curso online Conectivismo e Conhecimento Conectado, do George Siemens e do Stephen Downes. O curso conta com o apoio da Extended Education Faculty da Universidade de Manitoba em associação com o Learning Technologies Centre.

Para quem quiser acompanhar, as informações estão no wiki do curso. Convém uma visita à apresentação do curso, ao blog e ao ambiente moodle. A inscrição pode ser feita aqui.

Para tentar incrementar as possibilidades de participação e aproveitamento do curso, lancei um desafio para o pessoal da edublogosfera. via lista 🙂

Tags: , , , , ,


mar 29 2008

Links que vale conferir!

Categorias: blog,colaboração,edublogosfera,educação,linksSuzana Gutierrez @ 16:42

Tags: , , , , , , , , , ,


fev 29 2008

Edublogosfera

Categorias: comunicação,edublogosfera,educação,tecnologiaSuzana Gutierrez @ 16:46

No meu entender, uma lista de discussão é um recurso muito valioso para uma comunidade. Mesmo para as comunidades que se agrupam por meio da conversação dos blogs e das redes sociais.

Nem tudo é público ou publicável e, além disso, assim como os blogs socializam e ampliam o alcance do diálogo, a lista agiliza a articulação.

Pois foi no espírito de continuar formando a rede e de proporcionar múltiplos caminhos para esta conversa que flui nas infovias é que decidimos, a Lilian Starobinas, o Sérgio Lima e eu, lançar uma nova lista: a Edublogosfera.

A proposta é a de uma lista ágil e aberta, que se soma ao diálogo dos blogs. Não existe moderação e a temática da lista é ampla: educação e comunicação, na sua intersecção com a tecnologia e com todos os demais assuntos relacionados. A idéia é agilizar a distribuição das mensagens e evitar restringir a temática da lista à um grupo mais reduzido de assuntos.

Na mensagem de boas vindas, o convite à participação qjue complementa a minha chamada aqui no blog. Vamos lá?

[uma data marcante para nascer :)]

update em 1/3 >> ver também:

Edublogosfera – por Lilian Starobinas
Edublogosfera – por Sérgio Lima

1ª adesão: Simão Pedro Marinho

Tags: , , ,


jan 13 2008

Edu blogs: reflexão ou blá blá blá psitacídeo?

Categorias: blog,edublogosfera,educação,RSSSuzana Gutierrez @ 05:29

Depois de falar um pouquinho sobre os 10 anos dos blogs, vou registrar aqui alguns pensamentos sobre a parte da blogosfera constituída pelos professores. Lá por 2001/2002 havia uma meia dúzia de blogs de professores, a maioria blogs pessoais que tratavam de tudo, inclusive da escola.

Para mim estes eram e ainda são os legítimos edublogs. Um grande número dos que vieram depois ou já vinham com pretensões de grande midia, de ser O espaço e O formador de opinião sobre determinado assunto, ou vinham direcionados a projetos específicos da escola.

Os primeiros entraram na onda dos contadores de acesso, da romaria de visitas e comentários para gerar tráfego no seu blog, da divulgação exaustiva das postagens nas listas de discussão.

Os segundos, mais humildes, nem se entendiam como publicação e ficavam circunscritos a comunidade escolar. Estes careciam e ainda carecem de uma reflexão mais forte sobre a própria prática.

Atualmente, existe um híbrido destes dois tipos, que no meu entender piorou o status dos edublogs: o blog de projeto de escola ou temático, cujo proprietário divulga cada postagem feita e que se preocupa em demasia com a quantidade de acessos e outros rankings.

No meu entender, perdem em grande parte a possibilidade que um blog traz de registro da reflexão sobre a prática, da teorização, da exotopia sobre a própria atividade do blog. São blogs que quase que somente anunciam (reanunciam, neh) o que a midia já publicou. Ou que relatam ou são suporte de práticas e projetos, mas sem que em nenhum momento ocorra uma reflexão sobre as práticas e projetos.

São blogs que pouco dizem do seu dono, pois o relato pessoal, a mescla do pessoal com o profissional não ocorre. São páginas que não motivam o diálogo e, um acesso aos comentários, mostra que as visitas não interagem com o conteúdo. São retribuições ou quase convites.

Talvez, este status da edublogosfera seja fruto do contato com as outras blogosferas e uma coisa que possa ainda ser corrigida. Nada contra a eventual postagem de notícias ou reprodução de textos. Porém, penso que no interesse de desenvolvimento de uma edublogosfera, nós professores poderíamos pensar em:

1 – ter um blog pessoal, onde os assuntos fossem TODOS, mas com um grande espaço para: refletir sobre a sua prática social, sobre seu trabalho e sua vida, para escrever de modo crítico sobre o que lê, para dialogar com outros blogs, para ser um registro histórico de sua aprendizagem na rede. Um blog que se desenvolva como um ambiente pessoal de aprendizagem.

2 – separar o blog anterior de blogs específicos de projetos na escola ou outros projetos. Embora o blog pessoal possa falar destes outros blogs e de seus projetos, sobretudo aprofundando a reflexão, afrouxando a formalidade de avaliações e objetivos.

3 – Distribuir o conteúdo de seus blogs por rss/atom e usar um agregador de conteúdo que possibilite socializar, recomendar leituras e, deste modo, incentivar a formação de redes sociais.

Que acham?

em tempo:
Este meu blog que nos antigamente se chamava Onde anda Su? sempre tentou ser um blog pessoal e, também: agregar valor à informação e não ser um mero papagaio da grande, média e pequena midia.

O blog do professor Sérgio Lima e o da professora Raquel Recuero, por exemplo, são blogs que mesclam o pessoal, o profissional, a crítica, a reflexão e, com isso, motivam o diálogo.

em tempo 2: para atingir um maior número de professores vou fazer algo que neste mesmo post eu condeno: vou divulgar a postagem numa lista de discussão. Desculpem a contradição, mas é por uma boa causa: a de incentivar a formação da rede via blogs + rss.

Tags: , , ,


ago 31 2005

diversas sobre Blogs

Categorias: blog,edublogosfera,educaçãoSuzana Gutierrez @ 08:19

enquanto isso … chove lá fora…

:: Estúdios de cinema normalmente fazem anúncios na televisão e jornais em busca das maiores audiências no final de semana de estréia. Para o filme “Constant Gardener”, a Focus Features pretende atrair sua audiência de um jeito diferente: direcionando-se aos leitores de sites e blogs na internet. >> no NYTimes-Ultimo Segundo

:: Blogando em Paris.

:: Blogando em meio ao furacão >> Kaye Trammel

:: 51% dos jornalistas estão usando blogs e 28% se baseiam neles para suas reportagens, diz a pesquisa da Euro RSCG Magnet and Columbia University.

:: o que aprender blogando >> Keith Robinson explica e Anibal de la Torre nos conta.

:: Videoblog do Dialógica.

:: Três anos blogando >> comentários de Anne Davis sobre o uso de blogs na educação fundamental.

Tags: , , , , ,