abr 03 2009

As contradições…

Categorias: educação,software livre,tecnologiaSuzana Gutierrez @ 05:28

Não é à toa que a mesma tecnologia que tem o potencial de facilitar, enriquecer e diminuir o labor humano é usada para fragmentar, intensificar, precarizar e negar o sentido do trabalho.

Marcelo Branco aponta a contradição à qual cada professor do RS deveria observar e se posicionar.

Na terra do maior evento de Software Livre da América Latina, Governo entrega a educação para a Microsoft

Tags: , , , ,

11 Respostas para “As contradições…”

  1. Elô says:

    Olá Prof Suzana!! Aqui na minha escola no Lab de Informática com 10máquinas Proinfo Linux Educacional 2.0 (2008) e com 6 máquinas Proinfo Windows XP Home Edition (2002) e 6 máquinas Windows M2 (200)antigo Orçamento Participativo.
    Preciso no momento é saber mais sobre Linux e não Windows XP e Vista. Para atuar no lab.Estou correndo atrás para fazer cursos.
    Nossa realidade é essa.
    Um grande abraço.Eloisa

  2. Suzana Gutierrez says:

    Porque vocês não libertam estas máquinas que estão com o Windows?

    Sei que é difícil (eu mesma venho tentando isso aqui em casa), mas num laboratório, com técnicos ajudando, seria o ideal. Linux em todas as máquinas 🙂

    Sobre o Linux, recomendo uma visita ao blog do colega Eoil: http://eoil.blogspot.com/

    abraço!

  3. Vanessa dos Santos Nogueira says:

    Tem acontecido tantas contradições no nosso estado, que tem horas que não consigo acompanhar, normalmente as ações que não fazem parte do dito normal não são divulgadas,mas no RS ultimamente tudo é feito com tanta “normalidade”, a nossa educação hoje anda rapidamente contra tudo que foi construido e que levou tempo….
    Su, vou copiar esse link e colocar no meu blog, o minimo que a gente pode fazer é divulgar os absurdos que nos cercam!

  4. cremilda says:

    NON DUCOR, DUCO: SÃO PAULO NÃO É CONDUZIDO , MAS CONDUZ MAL

    Estão fazendo um alvoroço com o caso dos estudantes de uma escola pública de Goiânia. Ficaram nus em revista feita por policiais.
    Esse é um dos piores exemplos que o Estado de São Paulo deu ao Brasil. Depois que foi criada a Ronda Escolar em São Paulo com a finalidade de dar proteção aos professores de escola estadual, nunca mais os pais dormiram em paz.O pais inteiro copiou a medida imoral, sórdida e covarde de um governador insensível.
    Toda vez que uma corporação interfere na disciplina da outra, uma está falida e a outra está equivocada.
    A escola faliu mesmo, de vez.Policia dentro da escola substituiu a aula de boa qualidade.Aula de boa qualidade é o único meio eficaz de acabar com a indisciplina e a violência dentro da escola
    Aluno ocioso e insatisfeito precisa de força policial para conte-lo
    Professor tendo sua segurança garantida e sem ser cobrada e nem responsabilizado.Pronto a DESORDEM TOTAL E RETROCESSO
    Todos os dias sabemos de caso de aluno que sofre humilhação e violência na escola pública.Policial militar não está preparado para gerenciar conflitos pedagógicos e cobranças de alunos, a maior parte cobrança legítima.Policial está preparado para defender o povo de marginais.Policial está preparado para ganhar do bandido.Se um policial perde para o bandido, perde toda a sociedade.Já em escola é diferente.Aluno não é um bandido em potencial como a escola e as professoras na maioria querem fazer todo mundo acreditar.
    Tivemos uma comunidade do Orkut que ficou famosa e até saiu no jornal e foi deletada.A comunidade se chamava Professoras Assassinas e num tópico um professor ensinava como se livrar dos alunos dificeis.Era segundo ele, simples: colocava uma porção de droga na mochila dele e pronto…
    Agora deixaram alunos nús para revista-los, foram humilhados e aterrorizados e não encontraram o dinheiro que desapareceu na escola. Professores e funcionários não foram revistados. São acima de quaisquer suspeita.Suspeito é só aluno…
    Deletaram a comunidade Professoras Assassinas, mas não deletaram as professoras assassinas, parece que são as mesmas na comunidade
    EU SOU PROFESSOR, ali tem um tópico onde ridicularizam nome de aluno, contam como promovem bulliyng e se divertem debochando de nordestinos….
    Toda vez que se fala de aluno portando droga na escola, ou neste caso de Goiânia, me pergunto se esse aluno não está sendo vitima de uma professora assassina.
    Então lá vai São Paulo desmoralizando as palavras do seu brazão
    NON DUCOR, DUCO,
    NÃO É CONDUZIDO, MAS ESTÁ CONDUZINDO MAL.
    Como o estado mais importante e mais rico do Brasil,tem uma das piores escolas públicas e maus exemplos que só nos entristece e em alguns momentos até nos envergonha de sermos paulistas.
    http://cremilda.blig.ig.com.br

  5. Suzana Gutierrez says:

    Oi Vanessa

    No meu entender, estas contradições são acentuadas quando existe um imperativo de uso das TIC. Ou seja, quando elas não vem completar, enriquecer um processo de transformação da educação e, sim, quando vem para serem a “causa” da transformação.

    Este retrocesso do RS tem mais razões políticas gerais do que educacionais 🙂

    abração

  6. Suzana Gutierrez says:

    Oi Cremilda

    Não entendi bem a relação do teu texto com o meu, mas, neste teu texto tem mil coisas a discutir.

  7. Robson Freire says:

    Olá Suzana

    Como você bem sabes sou de NTE e aqui temos maquinas de todos os tipos vindas do MEc e da SEEDUC. As primeira leva de maquinas (Proinfo 1 e 2) ainda na gestão FHC vieram com Windows. Depois no Proinfo 3 e 4 ainda no final elas vieram com Linux (verão TOM no 3 e Itautec no 4) agora no governo Lula todas as maquinas são Linux Educacional (1, 2 e 3.0).

    Mas o governo do estado do RJ também tem feito “parcerias” no caso dos computadores do Infoeduc e dos notebooks distribuídos, alem de uma outra “parceria” para o curso de aluno monitor com a Microsoft. E a tal da evangelização do software proprietário.

    Quase todos os laboratórios hoje tem Linux ai o professor recebe notebook com Windows, os NTEs capacitam Linux e o professor como fica no meio disso tudo?

    Completamente perdido em quem apostar. Eu digo aposte naquilo que você pode adaptar, mudar ou criar. Aposte numa solução livre sempre pois alem de ser de graça, seguro os resultados educacionais são melhores.

    Focar numa politica de software livre só ira beneficiar a educação.

    Abraços

  8. Conceição EJA says:

    Oi Suzana
    Assim como o Robson, trabalho em um laboratório de informática em escola pública no estado do Rio. Se de um lado o governo federal avança, os governos estaduais regridem ao sofware proprietário.
    Mas, por quê?

  9. Fátima Campilho says:

    Já falei mais do que poderia e deveria!
    Vou usando o meu PC e faço o que posso.
    Tem prêmio para você.
    Beijos

  10. José Antonio Klaes Roig says:

    Oi, profa. Suzana,
    essa é uma boa pergunta, pois trabalho aqui no NTE com os dois sistemas Windows e Linux, mas como ser biológico nem sempre consigo me particionar. São semelhantes mas têm também suas distinções, e nós multiplicadores às vezes precisamos ter uma boa concentração pra não misturar as estações.
    O Linux Educacional é uma distribuição que já está na sua versão 3.0, e tem se aproximado da funcionalidade do Windows e tem o aval do Proinfo/MEC, que tem oferecido encontros regionais para os multiplicadores.
    Costumo comentar que se fossem línguas, e não deixam de ser linguagem de máquina, os sistemas operacionais se aparentam com as línguas latinas, como o português e o espanhol. Entretanto, essa entrada da Microsoft aqui no Estado, ouvi comentar que o Microsoft Educação é uma proposta similar ao Linux Educacional, mas ainda não tenho maiores detalhes.
    Envolvido com diversas atividades no NTE e fora dele, aiinda careço dessas informações. Pretendo buscá-las para poder formar uma opinião a respeito. Programa Aluno Monitor que é uma parceria da empresa com o Estado visa capacitar alunos, como mostra no vídeo acima. Todavia, o Microsoft Educação, pelo que ouvi comentar é algo no estilo Linux Educacional mesmo. Na verdade, a grosso modo, ainda sem maiores detalhes sobre o assunto, parece-me tratar-se de uma questão estratégica para ambos (MS e RS), frente a proposta Linux/MEC, que tem revertido no âmbito das escolas da rede pública, com os LIEs doados pelo Ministério da Educação, a grande abrangência que o Windows tem no restante dos PCs.
    Li em seu blog um comentário sobre esse tema, mas não comentei ainda, justamente por me faltar mais subsídios. Assim que tiver, estarei também colaborando com esse debate que envolve tecnologia e educação.

    Mas sou favorável a Cesar o que é de Cesar: ou seja, software livre no ambiente público, software proprietário a quem pode pagar por este. No meu blog sempre tenho deixado claro que sou a favor a mais solidariedade e reconhecimento na educação e menos competição e premiações.

    Eita, assunto provocador esse! mais um pra um belo debate. Um abraço, Zé.

  11. José Antonio Klaes Roig says:

    Oi, profª. Su, ainda em relação aquela questão da parceria RS/MS, descobri por acaso, visitando o blog de um colega (Protasio) alguns detalhes dessa parceria, que eu desconhecia o inteiro teor, mesmo trabalhando no aluno monitor.
    Abaixo o link para a notícia, depois comento a respeito. Um abraço, Zé Roig.
    http://blogdoprotasio.blogspot.com/2009/04/secretaria-de-educacao-paga-microsoft.html