jan 04 2009

Os estranhos

Categorias: livrosSuzana Gutierrez @ 19:15

O Estranho instala a incerteza onde a certeza e a ordem “deveriam imperar”.

Bauman diz que os estranhos são aqueles “que não se encaixam no mapa cognitivo, moral e estético do mundo”[1]. Dentro do contexto de um ‘certo mundo’ ou mundo hegemonicamente determinado como a única alternativa aceitável. A presença do Estranho no mundo, numa comunidade ou sistema social, instabiliza, confunde e desafia.

O Estranho tem muito de Arrivista, (mexendo um pouco com as concepções de Bauman), e considera os limites como faróis que podem guiar a sua ação ou iluminar as possibilidades de caminho. Ao ultrapassar limites, o Estranho destrói a ilusão de segurança e ordem daqueles que veem os limites como cercas protetoras fixas e imutáveis.

A sociedade da ordem tem dificuldade em lidar com o Estranho. Sua “estranheza” deve ser assimilada (devorada), excluída (afastada para longe, guetizada) ou, se nada funcionar, destruída. Uma destruição criativa – mutilar e corrigir. (Bauman seguindo Schumpeter)

Na era dos tutoriais e dos ‘how to’, quem se atreve a duvidar-pensar os ingredientes e os procedimentos, logo assiste o ‘ritual das portas’ e escuta os alarmes disparando. Um Estranho no ninho!

Porém, … como diz o poeta:

“eles são muitos, mas não podem voar…” [2]

Eu, estranhamente, acrescento: “para estes muitos é mais seguro viver de asas cortadas”

[1] O mal estar da pós-modernidade – Zygmunt Bauman (Zahar, 1999)
[2] Pavão Mysterioso – Ednardo

* a nossa tão propalada pós-modernidade tem limites bem precisos para a liberdade. Eu diria que bem mais rígidos que os modernos.
** viver a rede, às vezes, me inspira estas coisas.

Tags: , , , ,

2 Respostas para “Os estranhos”

  1. Anonymous says:

    O negócio é meter ordem unida nessa gente e não dar tempo para eles pensarem. Assim eles ficam achando que a “ordem e o progresso” estão imperando. Não importa que não saibam quem foi Auguste Conte, nem que tenham conhecimento de que as cores da bandeira nacional vieram da corte portuguesa ( melhor dizer pra eles que o verde é das matas, o amarelo do ouro e o azul do céu ).

  2. gutierrez/su » Leituras says:

    […] e deixei na fila Comunidade e Modernidade Líquida. Penso que o que o Bauman traz sobre estranhos, arrivistas, vagabundos e turistas, a questão do controle, da cultura, da liberdade e da […]