jan 06 2009

Leituras

Categorias: doutorado,leituras,livrosSuzana Gutierrez @ 15:50

vista da praia
* a foto é do meu passeio de hoje – capão da canoa

Após os Jogos da Amizade eu pude intensificar as minhas leituras e releituras. E o que pude fazer neste tempo está me deixando muito animada.

Ainda em novembro pude terminar de reler A Era dos Extremos – o breve século XX, 1914-1991 do Eric Hobsbawm e, em parte, reli Condição pós-moderna, do David Harvey. São dois livros que eu recomendo fortemente a quem está pensando em pós-graduação stricto sensu.

Depois, reli Sobre o Tempo, do Norbert Elias e li o Processo Civilizador volume I e parte do volume II. Estes “em parte” tem sua explicação no meu “modo de pensar”, que não é linear e segue, o ritmo da escrita. Escrever para pensar e saber o que ler para escrever, para pensar, … recursivamente.

Em seguida, comecei a minha saga em Zygmunt Bauman, que é um autor que ainda não havia usado nas minhas construções teóricas. Li uma parte do O mal-estar da pós-modernidade e deixei na fila Comunidade e Modernidade Líquida. Penso que o que o Bauman traz sobre estranhos, arrivistas, vagabundos e turistas, a questão do controle, da cultura, da liberdade e da civilização são muito interessantes para se compreender a cibercultura.

Aí senti a necessidade de voltar ao Daniel Bensaïd e reler (com caderninho do lado) o seu excelente Marx, o Intempestivo, o qual terminei hoje. Para confrontar as aporias das outras leituras, precisei rever, guiada por Bensaïd, a construção da ciência de Marx. Na segunda metade do século XIX, quando o mundo vivia acomodado na linearidade da mecânica de Newton, surgem as ciências das possibilidades: a teoria da evolução de Darwin, as leis da termodinâmica de Clausius e Carnot e a crítica da economia política de Marx, falando de incertezas e abrindo espaço para uma nova racionalidade.

Quando o meu pensamento se pragmatiza e flutua na superfície das coisas, ou começa a se linearizar e não ultrapassar a pseudoconcreticidade, eu sempre retorno a Marx, que viu na mercadoria o seu duplo de valor de uso e valor de troca.

Marx, o Intempestivo é um livro denso e necessita de concentração. Então, quando vim para o posto avançado em Capão da Canoa e a possibilidade de concentração ficou contingente, eu alternei esta leitura com a leitura de alguns artigos de dois livros de Lucídio Bianchetti: Educação Corporativa, que ele organiza juntamente com Elisa Quartiero e A trama do conhecimento, com Paulo Meksenas. O primeiro é um panorama amplo da educação em seu imbricamento com a educação pensada pelas empresas. O segundo, leitura obrigatória para quem pensa fazer ou está cursando mestrado ou doutorado.

Agora, preparo-me para atacar Dos meios as mediações, de Jesus Martin-Barbero.

No lado lúdico, aquela leitura de duas páginas por dia, para acalmar o delírio teórico 🙂 antes de dormir: estou relendo pela décima vez O homem do terno marron da Agatha Christie.

em tempo: ponham ou tirem os hífens e os acentos…

em tempo 2: tão abundante como as leituras estão sendo as possibilidades de compartilhar algumas reflexões (e algumas bobagens, também) por aqui.

Tags: , ,

5 Respostas para “Leituras”

  1. raquel says:

    Nada a ver com o post… Eu adoro a lilia! Apresentei o blog e os artigos dela pro Alex lá no início dos tempos quando comecei a pesquisar blogs. Só que daí ela foi parando de escrever, parando… e parou. Fiquei surpresa quando os feeds voltaram e com textos cada vez melhores. Já é minha ídola, leitura obrigatória. 😀

  2. Suzana Gutierrez says:

    Idem idem

    Eu mantive os feeds mesmo qdo ela parou. Havia um feed direto para a pesquisa dela.

    Segundo entendi ela parou porque foi trabalhar numa grande empresa (poderia ser Microsoft?), acho que até por causa da pesquisa. Minha impressão é que de algum modo a blogagem dela conflitou com o trabalho.

    abraço!!!

  3. Anonymous says:

    Te sugiro que leias Jack Kerouac e Allan Ginsberg, se tiveres tempo.

  4. Ana says:

    Excelentes leituras e ao ler seu post fiquei mais tranquila já que não sou a única que passa as férias colocando as leituras em dia. Eu trabalhei com Harvey no meu mestrado e agora estou aprofundando a questão da pós-modernidade na perspectiva dos Estudos Culturais. Vou investigar melhor a questão dos “estranhos” pode ser que me ajude em algumas lacunas do trabalho… Vamos trocar algumas figurinhas, acredito que podemos trocar nossas aflições epistemológicas e metológicas (rsrsrs).
    Beijos

  5. Marge says:

    This has made my day. I wish all potisgns were this good.

Entre na conversa