fev 29 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 22:20

[01/03 – 3h:45min – paralelo 30]

sigo desejando continuar a olhar assim para este mundo que é obra minha, tambémNascemos para nós mesmos a cada instante e não coincidimos conosco. Nosso todo se reflete apenas no olhar do outro, que registra cada uma de nossas mutações e terá, talvez, o destino de desenhar o nosso ponto final.

… já estou no caminho, venho seguindo as rotas do céu de verão. Deixa entrar a bateria, é segunda-feira, é carnaval e eu chego às 3:45 sem falta 馃檪


fev 28 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 10:29

[hora do recreio]
Meu mouse está de mau humor desde ontem, então decidi abrir a sua barriga e ver o que estava causando os xiliques. Dei um banho na bolinha e na tampa, limpei o que não dava para por embaixo da torneira e até furunguei nos buraquinhos mais escondidos com uma escovinha interdental.
Foi aí que baixou o santo da limpeza…
Olhei para o teclado… Faz tempo que EU nunca limpo. Às vezes, a Liria até tenta, mas, como o computador emite uns ruídos sinistros e aparecem coisas na tela, em geral, ela só espana um pouquinho. Ela conhece bem o escarcéu que eu faço quando não sou eu que estrago o computador.
Pois é, achei a escovinha de dentes uma ferramenta tri legal de limpar o teclado. Tirei de lá 365 dias de farelos e outros, hum …, sólidos. Lembrei até o Paul MacCartney: “dust, hair, brans and crumbs….. living in perfect harmony …. in my K6 keyboard… oh Lord! ………”
Um memorial de resíduos. Alguns até incriminadores. Geralmente, a única refeição que faço no micro é o café da manhã, isso quando tem manhã com tempo para tomar café. Aí explica-se os farelos. But…. quem explica aquele pedaço de salame italiano mumificado embaixo da tecla Control?
conclusões:
. alguém anda comendo NO meu micro.
. alguém nesta casa anda com dinheiro para comprar salame italiano.

(ahhhhh não enrola, Su, volta para os livros)

Não, peraí. Queria registrar aqui que aceitei convites de uns amigos: HD, FF e entrei para o ORKUT, “uma comunidade online que põe em contato pessoas por meio de uma rede de amigos”. Andei passeando por lá ontem e até convidei alguns amigos. Ainda não tenho opinião formada, mas me deu idéia de ler alguma coisa sobre estas comunidades.
Procurando outras coisas, achei este artigo do Gilson Schwartz: Orkut, Wiki, Plone. Ainda não li, mas já socializo.

(agora sim volto para os livros)


fev 27 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 07:57

[voltei]

E agora é para ficar… pelo menos é o que parece.
E a meta é quase impossível: reduzir contatos, informações, debates, peleias e ciberpeleias. … Focalizar, filtrar, mesmo que volte a roer as unhas. Dar alguma direção para as minhas viagens, olhar para a bússola mais seguido.
Esquecer as pilhas: de emails, de livros, de papéis, de arquivos, de esquecimentos, de lembranças, … Pelo menos conseguir por em alguma gaveta, como tudo que eu já tenho empilhado por aqui. E esquecer que não vou ter umas 10 vidas para voltar a tudo que ando guardando.

Amigos, serei um ser imaterial durante um bom tempo, o tempo que preciso.


fev 27 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 07:23

[Documentário mostrará a vida de Florestan Fernandes]

detalhes na Agência Carta Maior


fev 26 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 12:25

[entrevista no Estadão]
Sexta-feira passada, quando estava chegando em Capão da Canoa, recebi o telefonema da Kátia Arima, do Estadão e conversei um pouco com ela sobre RSS (Rich Site Summary) e sobre o uso que fazia deste protocolo em Educação. Foi pena não ter passado os endereços dos projetos e nem falado sobre a blogquest que fiz sobre RSS. Seria bem interessante para quem quisesse saber como colocar RSS no seu blog.
Pelo tempo passado fora e dando umas férias para o Sharpreader, só fui ler hoje a matéria pelos jornais que recebi pelo correio e depois, visitando os amigos, encontrei no blog do Sérgio, que também fez parte da matéria, links para os textos.

Aí vão os links para a matéria do Caderno de Informática do Estadão:
.:: primeira página
.:: página 5
.:: página 9

A minha falinha está na página 5. Deixo para comentar quando tiver lido a matéria toda, o que ainda não foi possível. Mas já vi que tem montes de conhecidos, além do Sérgio, no texto:

.:: Sérgio
.:: Ronaldo
.:: Edney
.:: Charles


fev 22 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 19:40

Aqui no sul, bagunça familiar não vira em pizza, vira churrasco. Pois é, vim para cá enquanto os bárbaros dão conta dos escombros.
Já passou aquela fase voraz, do salve-se quem puder. A maioria está feito jibóia, fazendo a digestão. Os cachorros roendo e enterrando ossos. As gatas, para variar o cardápio, comeram a ração dos cachorros.
Neste momento, um clamor ganha os ares lá na cozinha. Pelo jeito estão disputando o final da sobremesa a tapa.
Eu reluto de sair daqui da cama, talvez não tenha oportunidade de voltar.
Continuo pensando no passado-presente e nos relatos que estetizam o que não se viveu e mantém práticas nem tão praticadas como se fossem o passado de um presente que nunca existiu. É de cair na real de decifrar o nosso agora, de iluminar nossos espaços e tempos. Entender a angústia de Proust.
Vai ver é por isso que ando com saudades de ter uma câmera digital. Saudade de uma coisa que nunca fiz, de imobilizar, por instantes o fluxo da vida. De lembrar e lembrar de lembrar.
Sei lá se é a idade, mas hoje eu vejo o que vivo, além de viver.


fev 22 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 14:54

Estou no exílio desde sexta, por isso a ausência. A Mana trouxe o notebook, mas não estou com muito espírito escrevente. Pudera… A instalação está num estrado de cama, no meio de tralhas de acampamento e uma prancha de surf.
Aliás, um ser solteiro, feminino, levemente idoso, como eu, começa a perder os direitos. Este ano perdi o quarto e fui instalada no quarto de solteira. Agora, fui invadida pelas tralhas, pranchas de surf e seus donos.
Resultado: cá estou eu acocorada teclando.
Mas a minha insistência em escrever alguma coisa aqui, apesar da posição deprimente foi o que andei lendo. De recreação, peguei um livro da Sandra Pesavento, O Imaginário da Cidade, e estou lendo a parte sobre Porto Alegre. Uma coisa me ocorreu e ela até refere de verta forma no livro: o fato de termos sempre à frente o nosso passado. As releituras que se faz dele e suas projeções. No livro, por vezes, a autora mostra uma Porto Alegre que talvez pouco tenha a ver com a Porto Alegre da época: olhada do futuro, de certa maneira idealizada, futuro-passado.
O presente pelos olhos do presente é muito técnico e pouco literário. Fiquei pensando o que perpassa nestes meus escritos sobre o presente, seu espaço-tempo e suas práticas.
Este trecho já me deu duas caimbras, vou voltar para a bagunça familiar. Estudar nem pensar. Não há um só lugar desta casa, entro ou fora, que não tenha barulho. E muito barulho.

  • Entradas Relacionadas


fev 20 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 06:57

[limites]
Acabo de terminar uma primeira leitura nos emails acumulados. Tremendamente seletiva, até meio assassina. Incrível a quantidade de “informações”, embora os filtros, as separações, as prioridades… No atual spamtime, urge reavaliarmos os nossos critérios para ler/responder/filtrar informações e urge, também, que a ação dos spammers seja perseguida, atormentada, finalizada, direto no servidor, se possível. E com alguma coisa mais competente que aquele spam ‘anti-spam’ da UOL.
Decreto número 1/2004: Este blog está de férias até eu me desatrapalhar um pouco.

Se eu quisesse um pouco mais
Tudo seria sugado, revirado,
Regurgitado, amorfo
Como algo que se mastigou e cuspiu
Sem nada que corte
Sem nada que fira
Mas, pra quê?

quando eu penso coisas assim me dá vontade de sapatear …


fev 18 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 20:31

[novidades do front]
Descobri porque o JA, meu cunhado, anda tão afável comigo. Conta a lenda que ele foi a três médicos diferentes, dando uma geral e corrigindo alguns desvios da saúde. Só que se esqueceu de contar e, pasmem, os médicos esqueceram, também, de perguntar se estava fazendo algum outro tratamento, tomando algum medicamento e qual.
Pois é, diante daquele stress pós Natal, todos acabaram por receitar o mesmo anti-depressivo, anti-isso-aquilo. Claro que com nomes diferentes: fluoxetina, riboflotina, qualqueroutratina. Ele comprou todos e foi tomando. Ficou tri ativado, mas em modo alegríssimo, tengod. Depois, dormia como pedra. A Mana estranhou e foi dar uma olhada nas bulas e aí matou a charada. Pena que já suspenderam alguns dos remédios, porque eu estava achando o ritmo dele muito legal. Pra não dizer que a criatura estava um amor …
Nos pegas normais do fim de semana, embora ainda começasse as falas com “aquele teu partido”, ele nem se estendeu muito naquela fala do ‘funcionalismo público é o câncer da sociedade’ e nem colocou ponto final em discussão com o antológico: “sempre existiram pobres e sempre existirão” … Pena que o pai não pegou a essência da história e se retirou, com as mãos nas coronárias, bem no comecinho…


fev 17 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 16:54

[tudo na paz no posto 69,5]
Os aniversários foram festejados com quorum abaixo do esperado. A minha turma não pode ir, a Claudia de plantão nos transplantes e o Lucas, também, de plantão em um quase transplante 馃檪 Fui eu e os cachorros. Não deu tempo de comprar presente para as duas, dentro da minha atrapalhação normal. Pior que, mesmo estando longe quinze dias do meu niver já ganhei os presentes. Aquelas lá são prevenidas. Eu, bom…, eu carrego a minha culpa.
Os festejos foram discretos: rodízio de pizza. Para provar que ainda não cresci, derrubei um copo de cerveja em grande estilo.
Estou aqui cheia de novidades, mas sem tempooooooooooooo. Voltei hoje à tarde e cai no serviço que havia deixado esperando.
Breve notícias … J


fev 13 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 05:15

[queimando na Redenção]
Sei que queimam muitas coisas por lá, mas o título tem a ver com o meu espaço físico, literalmente. Estou na labuta sem tréguas toda a semana. Sempre é assim nos inícios, porque, além das aulas, tem toda uma parte de organização a ser feita.
Ontem, havia um intervalo longo entre as aulas da manhã, então fui caminhar com o Caco, meu colega da EF lá no CMPA. Caminhamos uma hora mais ou menos dando uma batida geral na Redenção. Sol quente demais, mesmo às dez horas. O chão já estava emitindo aquele calor que, ao meio-dia, forma uma massa de ar quente e é como se caminhássemos dentro de uma camada mais densa que nos chega até os joelhos. Sem tirar o que vem do alto! Dá para fritar um ovo no alto da cabeça.
Fiquei lá todo o dia. Aproveitei a tarde para por em dia os registros que passei TODA A QUARTA fazendo. À noite, estava tão cansada que nem liguei o micro. Hoje estou arrumando malas e indo ver a mamãe e a mana que estão de aniversário. Vou levar a WOOD para reler. Quero fazer o seminário que vai ter este semestre na UFRGS.


fev 10 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 09:58

[produzindo]
Revisei parte das transformações que fiz em textos da proposta de dissertação que serão incluídos na dissertação. Estes textos foram atualizados, corrigidos, cortados, acrescentados, reformatados, … Havia feito este trabalho na praia e, em parte, passado à limpo. Resta fazer a parte que já está rascunhada e acrescentar o resultado da revisão de hoje. Tarefa do resto do meu dia.

Um pedacinho, onde falo dos mapas:

Os mapas fixam um momento da realidade objetiva que está sempre em movimento. Assim, eles capturam as dimensões de comprimento, largura e altura, situam a realidade através das coordenadas de latitude e longitude e a representam na superfície plana. Não mostram o território em si, mostram as diferenças de altura, de constituição do terreno e os elementos que expressam a intervenção humana. São obras de nossas mãos e, nelas, adquirem uma quarta dimensão, que é o tempo. O tempo-duração que ‘gastamos’ ao percorrê-los, a flecha do tempo inscrita em cada mutação, em cada diferença existente entre a realidade sensível e a realidade representada. Os mapas, assim como as obras de arte, são representações de uma determinada época.


fev 10 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 09:48

[problemas no blogger]
… afetam o uso do wbloggar, o excelente software de Marcelo Cabral. Mas tem jeito. Basta:

Abrir o wbloggar, ir em ARQUIVO, Propriedades da Conta e em ‘Endereço’ colocar www.blogger.com e dar OK.

Na página do wbloggar tem uma solução diferente, caso esta não funcione.

Mudando o assunto, olhem a novidade que pesquei lá no Sérgio:

http://www.blogmovel.com.br/


fev 10 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 07:37

[CM]

Andei escaneando umas fotos para mandar para a malharia para o orçamento de camisetas. Aí achei uma foto de meus times de Volei. Aí vai a galerinha de uns anos atrás:

boas lembranças 馃檪


fev 09 2004

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 18:07

[novidades?]

Achei isso pora铆, ontem:

http://linux.dell.com/blog

No mais, fora o calor e a poeira, passei o dia na burocracia, num cadastro infernal:

Nome de Guerra? n煤mero? turma? data de nascimento?

que tu queres praticar este ano? segunda op莽茫o?

alguma observa莽茫o?

E eles na maior felicidade, antecipando a alegria que 茅 uma aula de educa莽茫o f铆sica.

Toca para pesar, medir e prometer que a segunda aula j谩 茅 aula mesmo 馃檪

N茫o, hoje ningu茅m vai tirar as faltas.


Pr贸xima P谩gina »