jun 30 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 10:48

[os blogueiros e a responsabilidade sobre a publicação]

Uma corte de apelação decidiu que as pequenas publicações online não podem ser responsabilizadas por republicarem informações. Isto é uma vitória para os adeptos do discurso livre e para os blogueiros.

:: texto completo, em inglês, na Wired


jun 30 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 09:19

[Manifesto de lançamento do projeto SLE – Jun/2003]

SLE = Software Livre na Educação

Muito se tem discutido na mídia e, principalmente, na Internet sobre a adoção do Software Livre nas mais diferentes esferas de administração pública em todo o mundo.
Também muito se tem falado das iniciativas de empresas de Software Proprietário, notadamente a gigante Microsoft e outras, não menos poderosas no meio dos negócios, que gravitam em torno do chamado “monopólio” exercido pela maior empresa de software do mundo.
Embora eu compartilhe do sentimento geral de que existe um monopólio mundial exercido pela Microsoft, não é este o móvel da iniciativa que inauguramos aqui.
Os comentários infindáveis nas listas de discussão expalhadas pela Internet, prendendo-se ora ao inconformismo com a ousadia das grandes empresas, ora ao derrotismo impotente e às dificuldades de mobilizar forças compatíveis com as dos gigantes; este foi o estopim do movimento que pretendemos fazer.
A crença na capacidade da comunidade que aprendi a identificar nos sítios de encontro e discussão, o envolvimento direto de alguns de nós com as questões da Educação no país, e a certeza da viabilidade de alguns projetos tantas vezes discutidos e pensados, impulsionados pelo incomodo das discussões terminadas estéreis, passarão a ser canalizados para alimentar a construção de um sonho comum:

A implementação de soluções livres nas escolas.

Obviamente, como estamos a maioria enganjados no movimento que se tornou conhecido como (movimento pelo) Software Livre, avaliamos que maiores serão nossas chances de sucesso se focarmos nossas atenções nesta área com que temos maior intimidade.

Assim, formalmente, iniciamos hoje o projeto Software Livre na Educação (SLE), tendo como objetivo principal:
Promover o uso de soluções de Software Livre na Educação.

São objetivos específicos do projeto Software Livre na Educação:

:: Organizar e manter um repositório de matérias de referência em Educação.
:: Organizar e manter um fórum de discussão sobre temas específicos como: Informática na Educação, Ensino de TI, Inclusão Digital e Informática na Administração Pública, Capacitação Docente, etc.
:: Apoiar o desenvolvimento e uso de software educativo e aplicações para administração escolar na modalidade de Software Livre como definido pela FSF na licença GPL (Licença Pública Geral/GNU).
:: Apoiar o desenvolvimento e uso de documentação e material didático livre como definido pela FSF na licença FDL (Licença GNU para Documentação Livre).
:: Apoiar o desenvolvimento de projetos de ensino, especialmente os que incluam o uso da Informática na Educação.
:: Organizar e manter um sistema de capacitação docente para o uso eficiente de Tecnologia da Informação no ensino.

Espera-se que este projeto interesse e atenda a agentes nas áreas de Educação e de Tecnologia da Informação em geral, e mais especificamente àqueles interessados em Software Livre e em Informática na Educação.

Evandro Guglielmeli
Uberaba, 28 de Junho de 2003

:: acesse o site


jun 30 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 08:35

[procura-se Su desesperadamente]

Descobri que estou me perdendo de mim mesma no mar de informações e interesses. Ainda não decidi muito bem onde e o quê publicar.

Em princípio, este espaço aqui fica para o pessoal e os intreresses gerais, o [bloglab], para a pesquisa sobre os weblogs; o [projeto zapt], como ambiente virtual de pesquisa; o In TRAMSE, como parte do Projeto da Zona de Apoio e Pesquisa em Tecnologia do Núcleo de Experiências e Pesquisas em Trabalho, Movimentos Sociais e Educação – TRAMSE.

É nestes espaços virtuais, também, que posso me encontrar, por enquanto.


jun 30 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 07:22

[trangênicos]

As empresas e seus lobbistas, na ambição de controlar a agricultura brasileira e ter monopólio das sementes, em especial a soja, mais trigo, girassol e algodão, apregoam que os trang~enicos são mais produtivos e rentáveis que a semente de seus competidores. Se o critério para praticar agricultura é dedicar-se sempre a produtos mais rentáveis, então, deveriam estimular somente a plantação de fumo e de maconha! Os agricultores tem responsabilidade de produzir alimentos. E alimentos saudáveis, com segurança para toda a população.

:: artigo na íntegra no boletim da Attac

comentário: A busca por lucro como primeiro critério se naturaliza cada dia mais na sociedade, ao ponto de não serem avaliadas outras alternativas ou discutidos seriamente estes critérios. A própria liberação para comercialização da soja trangênica plantada aqui no RS mostrou quão facilmente argumentos podem ser derrubados ante esta questão do lucro.


jun 29 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 14:06

[congresso internacional de educação]

O Ministério da Educação Superior e as Universidades da República de Cuba têm o prazer de o convocar a participar no 4º Congresso Internacional da Educação Superior “Universidade 2004”, de 2 a 6 de Fevereiro de 2004 no Palácio das Convenções da Havana.
O Congresso, cujo lema é “A Universidade por um mundo melhor”, será o espaço propício para examinar, de maneira conjunta, as necessárias transformações que se requerem no quefazer das instituções da Educação Superior, para que estas assumam um papel decisivo no desenvolvimento sostenível dos nossos países.
Este evento científico da Educação Superior tem entre os seus objectivos favorecer a reflexão sobre as missões e propósitos da Universidade em geral e no contexto Latino-americano no particular.

.:: mais informações


jun 29 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 08:13

[Wi-fi para os pobres?]

Kofi Annan, secretário da ONU, acredita que a tecnologia wireless (sem fio) para internet é a solução para os paises empobrecidos. Ele disse numa conferência sobre o rápido desenvolvimento da tecnologia wi-fi:

É precisamente nos lugares onde não existe infraestrutura que o wi-fi pode ser mais efetivo, ajudando os países a saltar gerações de tecnologia de telecomunicações e infraestrutura potencializando seu povo. (Annan)

A idéia é instalar pontos de acesso ao redor do mundo que consigam linkar os computadores portáteis. Diz, também, que a vantagem é que esta tecnologia não é controlada pelos governos e nem licenciada, por isso as vantagens.

Fico pensando nos custos e na dependência que pode gerar um projeto como este em vez da infraestrutura de telecomunicações normal. Nesta já somos em grande parte dependentes, na wi-fi seremos inteiramente.


jun 28 2003

blog do TRAMSE

Categorias: ufrgsSuzana Gutierrez @ 09:53

Terminei ontem o layout do blog do TRAMSE e já está online. Não sei se era a hora, mas cometi todos os erros possíveis antes de acertar. Amadorismo é fogo :). Mas, vamos ver o que o grupo acha. Eu penso que ficou legal.

Para situar: TRAMSE é a sigla do NÚCLEO DE ESTUDOS, EXPERIÊNCIAS E PESQUISAS EM TRABALHO, MOVIMENTOS SOCIAIS E EDUCAÇÃO do PPGEdu da UFRGS. É da linha de pesquisa da qual faço parte e é o núcleo que abriga vários projetos, inclusive o meu ZAPT.

O portal do TRAMSE está em construção, também. Mas depende de espaço em servidor e algumas autorizações que ainda não temos. Acredito que até o meio de julho coloco online.

Tags: ,


jun 27 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 14:17

[Um mundo sem marcas]

Rodolfo S. Filho

Existem muitas formas de se explicar coisas complexas. Pode-se escolher uma teoria e usá-la como ferramenta para explicar o objeto estudado – seja ele físico, social ou literário. Outra alternativa é escolher uma única questão central e ir expandindo as coisas, até englobar todo um sistema.

Em “Sem Logo – A Tirania das Marcas em um Planeta Vendido”, a jornalista canadense Naomi Klein escolhe a segunda opção, analisando diversos aspectos da economia, política e cultura contemporâneas a partir do fenômeno do branding – a criação e consolidação das marcas. O resultado – um misto de investigação jornalística, relato pessoal e chamado às armas – impressiona por sua abrangência.
Deixando de lado generalidades pouco informativas, Klein examina e explica detalhadamente um dos aspectos mais importantes da fase mais recente do capitalismo: as marcas.
Marcas, não produtos – Pode parecer uma bobagem sem importância, mas a ênfase das empresas em vender marcas – Nike, IBM, Microsoft, Shell – e não produtos – tênis e roupas, bebidas, computadores, petróleo e derivados – é o que permite multinacionais controlarem o destino de milhares de pessoas ao redor do planeta.
Como Klein explica muito bem, uma vez que as marcas estão estabelecidas e associadas a idéias na mente dos consumidores, os produtos passam apenas a ser espaço para as etiquetas. Com isso, as empresas podem descartar suas fábricas e empregados, passando a produzir as tralhas em fábricas contratadas e descartáveis.
Além de analisar as modificações criadas por essa mudança na mentalidade empresarial, Klein documenta as estratégias de resistência às marcas e seu poder. Artistas que alteram anúncios, acadêmicos e estudantes que resistem à invasão dos patrocínios nos campi, ativistas e sindicalistas em todo o mundo são personagens das histórias que a autora usa para ilustrar seu ponto de vista.
Apesar da complexidade das questões tratadas, “Sem Logo” é um livro fácil e – deixando de lado a revolta que bate quando refletimos sobre o retrato pintado – agradável. O texto de Klein é claro e bem humorado, tornando o livro – obrigatório para todos que sofrem as conseqüências do branding – acessível a qualquer um.

“Sem Logo – A Tirania das Marcas em um Planeta Vendido”
Naomi Klein – Record
R$58,00 – 543 páginas

:: do jornal A Tarde, na coluna de Rodolfo S. Filho

:: um assunto interessante quando se pensa que as marcas são crias do capitalismo e que, mesmo militando contra, não conseguimos sair do fetichismo em certos aspectos.


jun 27 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 10:24

[ruindousssssss]

Iniciei a manhã tentando reanimar o micro. É… é reanimar mesmo, pois ele só fazia plop! e mais nada ou entrava no ruindous até e metade. Acho que foi vingança do disco rígido. Penso que ele ouviu quando eu combinei de ir trocá-lo terça-feira que vem.

Bueno… numa destas que consegui entrar no ruindous, updateei meus arquivos para um disco virtual, salvei algumas coisas e, como tentativa de consertar a coisa reinstalei o IE 6.0. Não é que funcionou?

pelo menos até agora…


jun 27 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 05:18

[Pizzaiolo]

Lá não tem só pizza. Tem um fettuchine al funghi com escalopes de filé que é ótimo. Tem lareira acesa e, com um vinho Casa Vecchia e um bom papo, foi o que faz tempo eu estava precisando. Incrível ter ido tantos anos ao Barranco e só agora ter descoberto o Pizzaiolo que fica ao lado.


jun 26 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 07:02

[qualificação da Márcia]

Ontem foi o dia da Márcia defender seu projeto de dissertação. Assisti e anotei a maioria dos comentários da banca para ela. Sempre é bom anotações de pessoas diferentes, além dos pareceres individuais.

Ela foi bastante bem e tem poucas coisas a repensar na sua proposta, que tem como objeto a escola.

Falando em pareceres individuais, está na pauta das próximas reuniões do compós a proposta de retirar a obrigatoriedade dos pareceres individuais. Vários alunos e professores já se manifestaram contra. A maioria dos alunos exige a manutenção deste parecer, pelo seu conteúdo de orientação para a seqüência da tese ou dissertação.

O compós argumenta que os pareceres retardam a aprovação dos projetos, pois muitos professores demoram a entregar. Na minha opinião, estão deixando um problema burocrático interferir na qualidade da avaliação dos projetos.

  • Entradas Relacionadas


jun 26 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 06:29

[CCP]

Chamada para apresentação de trabalhos sobre weblogs da Universidade de Minnesota. Os trabalhos selecionados serão publicados numa coleção online. Vou verificar a possibilidade de participação. O prazo vai até 30/jun próximo para os resumos.
::na fonte


jun 26 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 06:26

[Educação ou treinamento?]

Virtual TechKnowledge oferece e-learning com recurso de realidade virtual

Acordo com empresa canadense viabiliza uso de conceitos da chamada segunda onda de treinamento à distância.

“Se eu disser, você esquece. Se eu mostrar, você lembra. Se eu te envolver, você compreende”. Tomando emprestado este provérbio chinês, Claude Frasson, presidente da Virtuel-Âge International define o que seria a segunda onda do e-learning, que aporta no Brasil pelas mãos da Virtuel TechKnowledge. Oficializado há um mês, o acordo entre as companhias compreende a distribuição exclusiva da tecnologia desenvolvida pela empresa canadense, cujo principal diferencial está nos recursos de realidade virtual e nos conceitos de aprendizagem.

[…] Por enquanto, o maior prospect da companhia parece ser o governo, que vem mostrando interesse especialmente no que refere-se à educação pública. “Nossos contatos mostram que a educação à distância está ganhando espaço junto ao governo federal”, explica Azevedo. E pegando carona com o crescimento de 35% previsto pelo IDC no mercado global de e-learning, a Virtual TechKnowledge pretende fechar cinco grandes contratos ainda neste ano. “Entende-se por grande contrato aqueles cujo valor está acima de R$ 1 milhão”, acrescenta o diretor, responsável por comandar uma equipe de onze profissionais que lidam com as vendas – exclusivamente diretas – e pelo desenvolvimento de conteúdo.

::leia na íntegra

Inicia falando em treinamento e termina falando na educação. Parece que os treinamentos em ‘pacote’vieram para ficar. Fica a questão: que profissionais seriam estes, misto de educadores e vendedores?


jun 24 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 06:46

[a curvatura do espaço tempo]

Marcelo Gleiser explica num texto simples. Do caderno Mais! da Folha de São Paulo, reproduzido no Jornal da Ciência.

‘Como o espaço pode encurvar?’ Espaço é a entidade que usamos para medir distâncias entre pontos. Um espaço deformável, portanto, é aquele em que as distâncias podem mudar, como em uma superfície elástica puxada nessa ou naquela direção. ::leia mais


jun 24 2003

Categorias: sem categoriaSuzana Gutierrez @ 06:33

[software livre]

Na próxima quarta-feira, 25, ocorre, em Brasília, a I Rodada para Compartilhamento de Software Livre da Administração Pública.
O evento faz parte das iniciativas definidas pela Câmara de Software livre do Governo Eletrônico, caracterizando-se como mais uma etapa na consolidação da política de adoção do software livre na administração pública brasileira.
Leia a íntegra da notícia publicada no Jornal da Ciência de hoje.

Consolidação do software livre avança no governo

  • Entradas Relacionadas


Próxima Página »